ÚLTIMAS POSTAGENS

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Haja Mentira! Jornal Nacional pinta de rosa a repressão cubana

Deixem-me dizer o que o Jornal Nacional, malgrado seus pomposamente alardeados "princípios editoriais", ocultou ao público: neste ano, até novembro, mais de 3 mil pessoas foram presas pelo regime comunista (comunista, sim!) cubano !

"Existe uma confusão. Isto não é comunismo, nem socialismo. É um capitalismo de estado, de clã familiar, um capitalismo militar."
Yoani Sánchez, autoproclamada "dissidente" cubana.
Quem tem acompanhado os acontecimentos em Cuba por fontes mais idôneas deve ter sofrido um "passamento", como dizem os caboclos ribeirinhos aqui da região Norte, ao ter assistido ao terceiro episódio da série jornalística exibida pelo Jornal Nacional sobre a ilha do medo, intitulada "Cubanos usam mensagens de texto para driblar a censura e a repressão política". 
Imaginem se uma blogueira que mostra seu belo rostinho e escreve para vários jornais do mundo inteiro pode se apresentar como dissidente do regime comunista cubano, ainda mais exibindo sua luxuosa e confortável casa, mesmo para os muito superiores padrões brasileiros. 
Aos desavisados, sonsos, crédulos e ingênuos: a Sra Yoáni Sanchez não é ninguém menos do que uma agente de desinformação (será que devo escrever "agenta"?) do próprio regime. Sua função é justamente esta, qual seja, a de causar duvida sobre a crueldade do aparato repressivo: Senão vejamos: é uma mulher razoavelmente bela e simpática, tem uma bela casa, envia suas mensagens pelo Twitter e diz que apanhou da polícia política  - ainda que sem um hematomazinho que facilmente apareceria em sua alva tez.  
Desta forma, os tontos que acreditam piamente em sua atividade pretensamente clandestina serão levados a crer que os que denunciam as atrocidades dos Castro e de sua gangue são uns exagerados, senão uns mentirosos mal-intencionados. Afinal, a vida em Cuba não seria tão ruim assim como pintam...; já aqueles dissidentes, eles pareceriam mais com um bando de mimados sem causa ou sob paga do império ianque para desestabilizar o paraíso caribenho... 
Depois da pequena lavagem cerebral - trabalho fácil, pois as cabeças estavam ocas mesmo - vão sair por aí exibindo sua performance intelectual aos amigos, entre goles de cerveja e mordiscadas nas chochas batatinhas fritas afogadas de tanto óleo: "Em Cuba não vigora um comunismo, nem um socialismo: é um capitalismo de estado, um clã familiar, um capitalismo militar"...
Pois deixem-me dizer o que o Jornal Nacional, malgrado seus pomposamente alardeados "princípios editoriais", ocultou ao público: neste ano, até novembro, mais de 3 mil pessoas foram presas pelo regime comunista (comunista, sim!) cubano ! A notícia saiu no El Nuevo Herald, apenas um dia antes desta pantomima televisiva que está mais é para pré-estréia do BBB11. O Jornal Nacional perdeu mais uma chance de jogar uma água e sabão na sua reputação.

Abaixo, segue a notícia publicada no jornal de Miami, traduzida automaticamente pelo Google.

Quem quiser ler no original, clique aqui.

Para outras fontes, clique aqui.

Relataram um aumento da repressão em Cuba
Por Juan Carlos Chávez
jcchavez@elnuevoherald.com
Em novembro de havia mais de 3,170 prisões na ilha

A Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN), com sede em Havana, alertou a comunidade internacional sobre a repressão política contra o movimento de oposição. Em um relatório de progresso em Dezembro anunciou que até o momento 388 prisões foram temporárias, uso mais excessivo da força.
"Estamos muito preocupados com o aumento nas chamadas de baixa intensidade repressão política que consiste em prisões por horas, dias ou semanas", disse Elizardo Sanchez, diretor da CCDHRN ilegal.
Relatos de violência policial raramente podem ser verificados de forma independente porque as autoridades cubanas a impor barreiras para o fluxo de informações e renunciamos a qualquer ato de violência.
Mas de acordo com dados CCDHRN de janeiro a novembro em Cuba foram mais de 3,170 prisões pela polícia e agentes de segurança do Estado. O número representa mais de 800 casos, todos monitorados detenção temporária em 2010.
O nível de perseguição policial levou à rejeição de organizações de direitos humanos e governos democráticos. O Departamento de Estado dos Estados Unidos tem reiteradamente afirmado que a qualidade das liberdades individuais em Cuba é "pobre". Disse recentemente que o governo cubano continua a restringir direitos fundamentais, incluindo as relativas à liberdade de reunião imprensa fala e pacífica.
O recrudescimento da violência coincide com uma referência de passagem para os ataques maciços em praças públicas e vias explicitamente pronunciado por Raul Castro, durante a cerimônia de encerramento do VI Congresso do Partido Comunista de Cuba, em abril deste ano.
Cuba tem sido um aumento significativo nas tentativas de protestos em meio a crescente violência e processos sem o apoio legal para silenciar a dissidência. Até agora este ano, tribunais cubanos mantiveram oito adversários a penas de prisão de até cinco anos.
Em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, houve uma onda de detenções em massa e perseguição de ativistas e jornalistas independentes. O grupo de Damas de Branco, esposas e mães de presos políticos, foi assediado por multidões pró-governo em frente à sede do grupo.
Na véspera, o ex-prisioneiros políticos e Angel Moya José Daniel Ferrer foi preso em 02 de dezembro depois de tentar organizar uma marcha pacífica na cidade oriental de Palma Soriano. Na demonstração, pelo menos, cinco adversários terminou com ferimentos na cabeça, golpes nos olhos e outras lesões.
Ferrer e Moya são membros do Grupo dos 75, dissidentes condenados em 2003 durante a repressão conhecida como Primavera Negra, que visa silenciar as vozes críticas e exigências para eleições livres. A imagem do ataque com a participação de cerca de 46 dissidentes mostra o adversário Henry Perales, 27 anos, com dois ferimentos na cabeça raspada precisou de nove pontos. Outra imagem mostra Abraham Cabrera com uma ferida de um ponto na testa.
A operação da polícia em Palma Soriano foi uma das operações policiais contra os dissidentes mais e em maior escala nos últimos anos. Todos os adversários foram liberados dentro de horas ou dias, embora um deles foi detido 12 dias foram feitas sem serem cobrados.
Perales disse segunda-feira que vai apresentar uma queixa formal contra seu agressor, que vencê-lo ferozmente com uma ferramenta ao ser transferidos em um ônibus.
Em uma entrevista por telefone de Havana, Perales, marido e pai de dois filhos, disse que sofre de tonturas e dores de cabeça graves, a gravidade dos ferimentos. "Foi um ataque covarde, quando a polícia e eu estava acertando apenas gritam pelos direitos humanos", disse Perales, um membro da União Patriótica Cubana ilegal.
Sanchez Perales disse que não morreu "milagre". Ele lembrou que o infrator não teve nenhum problema em usar uma ferramenta mais do que um quilograma. Sánchez foi cauteloso com o desenvolvimento da reclamação, explicou ele, os tribunais são plataformas e engrenagens de "domínio de Fidel Castro". Ele disse que vai insistir na responsabilidade política e moral das autoridades."Seria um milagre que acomodar a demanda", disse Sanchez. "Mas vamos continuar a apoiar Henry, do ponto de vista legal para a acusação contra o agressor, que era um agente da Segurança do Estado cubano".

______________________________________________________________________________________________
Acrescento aqui o link para o Vídeo Sobrevivendo calado - A Verdadeira Cuba. Muito pertinente ao assunto. Não deixe de assistir. http://www.youtube.com/watch?v=QiRoRsI6YAw&list=PLD369804E8DD45EDF&feature=plpp_play_all

0 comentários:

Postar um comentário

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM