ÚLTIMAS POSTAGENS

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Quando o óbvio não importa mais.

Hoje mais uma vez me divirto com o que faz o movimento gay, torcendo a realidade para que se enquadre em sua agenda.

Em um texto profundamente sentimentalista um rapaz lamenta a morte de mais um gay no Brasil. Mais um crime para entrar para as estatísticas de aproximadamente 200 e poucos gays mortos por ano no Brasil. Estatística inflada, diga-se de passagem, e que não destaca a motivação das mortes colocando todas como crimes por preconceito. Ignorando os 50.000 brasileiros que morrem assassinados todos os anos, tirando os 200 pseudo assassinatos homofóbicos teríamos 49.800 assassinatos de brasileiros e não vemos nenhuma campanha que destaque a necessidade de pararmos com estes outros assassinatos.

Pois bem, no texto, que segue abaixo para quem tiver vontade de lê-lo, o ativista gay destaca a brutalidade e o machismo com que o crime foi executado, destaca também que um outro jovem gay está sendo ameaçado pelo assassino que ainda está foragido.

O crime não deve ser ignorado de forma alguma, pois como ser humano todos, gays ou não, estão amparados pela lei, e esta pessoa deve pagar pela atrocidade que cometeu. Mas quem seria este machista e homofóbico, como o texto quer tratar, que realizou este crime?

É meus amigos, o assassino era o próprio parceiro da vítima, era o namorado do rapaz assassinado. Que machismo motivou um gay a matar outro gay?

Poderíamos perguntar melhor: Quem matou o outro era o “macho” da relação?

O texto é profundamente tendencioso a colocar a culpa de todos os crimes nos homens ou ao menos nos “machos”, que por sua virilidade e brutalidade tendem a tentar dominar o lado ... digamos, mais sensível.

Pura palhaçada.

É só lembrarmos de casos onde mulheres mataram seus companheiros, e não são poucos. Tivemos um nestes dias.

Em resumo é que este será mais um crime colocado na conta dos “machos” e, consequentemente, héteros e também será tratado como crime de homofobia. Se eles, gays, são os assassinos ou as vítimas não importa, tudo será homofobia.

Tudo será usado como propaganda para promover uma falsa impressão de que existe uma sistemática matança de gays no Brasil. Mesmo que para isso tenha que se torcer um assassinato de um gay por outro gay, atribuindo ao assassino o status de “machista”.

O Brasil é o único país onde shows de travestis acontecem em rede nacional em horário nobre e todos da família param pra assistir e ainda opinam sobre quem vai ganhar o concurso de dublagem, é o país onde concursos de travestis acontecem as 3 horas da tarde e a vovó vai assistir junto com o netinho sem a menor preocupação (já dizia o Olavo de Carvalho). Onde esta toda esta homofobia que dizem haver aqui?

Alguma semelhança com os casos dos negros, índios, quilombolas e feministas? Nesta mentalidade eles sempre serão as vítimas, sejam agentes ou passivos na situação.
E, como nos casos acima, tudo será usado para promover a ideia de preconceito, dívida e reparação, intolerância e exclusão. Tudo será torcido para que se adéqüe a realidade inventada nas mentes de ativistas tarados por jogar o peso de suas vontades ao restante da sociedade.

Não é à toa que estes sempre são os programas preparatório dos governos comunistas.

Segue abaixo o texto:

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

0 comentários:

Postar um comentário

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM