ÚLTIMAS POSTAGENS

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A besteira do ''Estado laico".


Quem nunca ouviu a expressão "o estado é laico"?
Mas quem realmente a entende?

Então vamos pensar um pouco a respeito.
A idéia de um estado laico tem uma razão de ser e não é simples aversão ao religioso, como se Estado e Religião fossem água e óleo. Dando um exemplo sobre a construção do Estado democrático norte americano podemos ver a preocupação e a necessidade da construção imaginária de um Estado laico, pois existindo várias vertentes religiosas cristãs que contribuíram para a formação da sociedade americana, todas, logicamente, exigiam seus direitos de acordo com suas próprias convicções. Desta forma se o Estado defendesse religiosamente uma vertente, logo teria que combaterem as outras. Isso tornaria o Estado incapaz de preservar os direitos de todos.
A Idéia de um Estado laico se dá quando as instituições e organismos que compões o Estado não desfavoreçam outras religiões simplesmente por não se enquadrarem em religião A ou B. É ai que está à confusão.
Muitas pessoas julgam que um Estado laico é aquele que despreza qualquer religião e não pode com ela ter nenhuma representação e com isso deve banir de todas as suas estruturas qualquer vestígio religioso. Isso é uma enorme besteira.
Primeiramente devemos definir o que e o Estado (Governo).
O Estado (Governo) é um conjunto de instituições e representações (Algumas eleitas pelo povo outras não) que tem a função de fazer a sociedade funcionar, garantido a execução de uma série de regras e normas e com isso presta serviços importantes para o bem comum.
Mas de onde são tirados estes representantes?
Da própria sociedade, certamente. Não são alienígenas.
Portanto estas instituições e representações devem transparecer a própria sociedade e não formá-la ou moldá-la.
Nesta lógica percebemos que o estado deve sim ser laico, mas não laicista, pois a sociedade é composta de cidadãos religiosos em sua maioria. Sempre.
Não existe uma só nação que não tenha a maioria religiosa, pois foram justamente às religiões as responsáveis por lançar os fundamentos de todas as civilizações, tornando possível sua existência.
Olhando desta forma percebe-se ai o erro.
Como pode o Estado (como no exemplo brasileiro, que é um país cristão de maioria católica) tentar tirar de sua raiz cultural e institucional toda a marca do cristianismo?
Um exemplo disso é do caso do Capitão Bombeiro Militar José Natalino de Camargo que, com a desculpa de que o Estado é laico mandou retirar todos os crucifixos dos quartéis sob sua responsabilidade (lembre-se que este é apenas um recente exemplo, e muitos outros estão por ai). O que isso quer dizer?
O Estado, pela lógica, deve ter influencias da sociedade, pois é composta dela própria e é evidente que o contrário nunca pode acontecer.
O Estado não pode influenciar o comportamento da sociedade, pois se transforma, imediatamente, em um Estado totalitário.
A idéia de Estado democrático de representação é justamente que seja um governo onde as idéias sejam votadas e a maioria vença, Lógico que deve ser garantido direitos de existência das minorais, desde que estes direitos não sobreponham ao direito da maioria de tal forma que sejam como superpoderes para o controle do restante da sociedade.
No entanto, nos últimos tempos, o estado (entendam estado neste caso como representantes políticos da situação e autoridades representativas do estado diversas) tem tentado moldar toda a sociedade conforme sua própria ideologia. Isso se chama totalitarismo. Onde poucos detêm o poder para controlar a muitos.
Gostem ou não, a nossa sociedade está banhada, até as raízes, da cultura Católica e ela ainda é a religião majoritária do País. Não só isso, ela foi construtora de boa parte, através das ações dos Jesuítas. Posteriormente, fugidos de Portugal, a família Real portuguesa fixou-se aqui.
Então pensem:
Como pode um Estado de raízes católicas e de maioria católica rechaçar a cultura de sua própria sociedade?
Traduzindo:
Como pode a sociedade brasileira aceitar que alguns representantes, ideologicamente movidos, consigam tirar dela o que a ela é valioso?
Isso serve para este caso dos crucifixos, mas também serve para outras situações, como é a situação das leis que favorecem os homossexuais em detrimento de toda a maioria.
O Homossexualismo é, até o momento, apenas uma preferência sexual e como tal não é o suficiente para dar direitos particulares a seus praticantes e não é sacrossanto que não possa ser criticado. Devemos respeito aos homossexuais? Sim, como a qualquer outro ser humano, seja ele católico, ateu, islâmico, budista e etc. Todos têm o direito de ser respeitados. Não merecemos respeitos pelo que somos (ideologicamente ou religiosamente falando), mas pelo que somos realmente (seres humanos).
Com isso levanto uma reflexão para o que o Estado têm nos imposto, quando percebe-se claramente que a maioria da sociedade não o quer.
Estado laico? Sim.
Laicista? Não.
O Estado deve refletir a vontade da maioria da sociedade e não a vontade da ideologia-partidária ou pessoal do representante eleito, concursado ou indicado.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Mídia mundial e a enganação como ferramenta de trabalho.

    

   Sem sombra de dúvidas as distorções e mentiras sobre o pronunciamento do Papa ao reporte alemão Peter Seewald revela o espírito da mídia mundial a respeito igreja. Este acontecimento demonstra não só o desrespeito pela fé católica, mas o desrespeito a verdade (que deveriam prezar) e a vontade de que Ela (Igreja) se renda aos anseios delirantes desta (mídia), como se a Igreja fosse uma enorme pedra no sapato da alma humana. O que não deixa de ser, pois, como disse o próprio Papa no mesmo pronunciamento que a mídia faz questão de não divulgar na integra e distorce o significado para que pareça concordante com seus próprios interesses, precisamos chegar à consciência "de que nem tudo está permitido e de que não se pode fazer tudo o que se quer.” (Bento XVI ao reporte Peter Seewald dobre a camisinha). O clero e os leigos católicos deveriam se pronunciar severamente sobre esta tentativa de ludibriar o fiel católico a cerca de sua própria doutrina. Levá-los ao tribunal não é má idéia.
    Hoje pela manhã o Jornal do SBT mais uma vez afirmou categoricamente que o Papa Bento XVI liberou o uso da camisinha.
Se isso não é enganar o telespectador eu não sei mais o que é. E independente de que, você leitor, concorde, discorde, acredite ou rejeite a fé e a doutrina católica (isso é uma escolha pessoal de cada um), todos deveríamos exigir a verdade de quaisquer veículos de notícias e não engolir mentiras deste naipe.

     Isto é muito sério. Eles nos (des) informam com aquilo que queriam que fosse e não com o que realmente é. Deformam-nos com suas fantasias e não com realidade.

     Com toda essa discussão sobre uma imprensa livre, nestes últimos meses, percebemos que ela já não é livre há muito tempo, pois está presa a uma ideologia anticristã que mente sistematicamente, constroem verdades (sabemos que a verdade não podem ser construída, apenas observada e constatada), criam e distorcem diálogos e ninguém toma alguma atitude.

     E parte do clero da Igreja Católica leva culpa nisso justamente, pois não toma as atitudes cabíveis, não processa os enganadores e não exige o direito de resposta que deveria lhe ser garantido.
     Com isso Ela acaba deixando muitos católicos a mercê destes enganadores e, infelizmente, alguns deles se escondem dentro do próprio clero.

     Alguma atitude concreta precisa ser tomada, pois não somos ovelhas sem pastor e o repórter precisa ter liberdade, mas também responsabilidade sobre o que escreve.
Se um pronunciamento tão simples se torna uma bandeira contra a doutrina católica de sempre, graças a distorções e frases retiradas de seu contexto, tente então imaginar o prejuízo que semelhantes acontecimentos causaram e causam, há séculos, a construção moral do fiel católico.
     Seguindo desta forma, não é a toa que a Igreja tem enormes dificuldades para prosseguir sua missão de evangelizar no mundo de hoje.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

O Papa Bento XVI NÃO liberou o uso de preservativos.

 
Fonte: Blog do Marcelo Maia.

As grandes mídias mundiais e até parte do clero estão vinculando a “noticia” que o Papa Bento XVI teria liberado o uso de preservativos como a camisinha para prostitutas. Essas Notícias são mentirosas e são baseadas em Trechos do livro, que tem como título “Luz do Mundo: O Papa, a Igreja e os Sinais do Tempo”, que é baseado em 20 horas de entrevistas conduzidas pelo jornalista alemão “Peter Seewald”.
Veja algumas manchetes absurdas que circularam nos jornais de hoje:

G1 Uso de preservativo pode ser justificado, diz Papa (Líder cita uso na prostituição como possível ‘passo para moralização’);

Folha.com Papa Bento 16 defende uso da camisinha em casos de prostituição

As matérias chegam ao absurdo de dizer que o Papa DEFENDE o uso de camisinhas

A VERDADE:
O Papa Bento XVI em sua entrevista diz que a relação sexual com preservativos perde a expressão de amor que ela deve ter e é considerada uma espécie de droga e banaliza a sexualidade humana. Ele completa ainda que é necessário um grande esforço no sentido de VALORIZARMOS os corretos sentidos da sexualidade humana que é o Amor e a procriação conforme nos diz a Palavra de Deus:
“Crescei, disse ele, e multiplicai-vos” (Gn 1, 28)
Em casos de prostituição, onde não existe nenhum valor moral na relação sexual, onde a relação deixa de ser uma relação sexual humana (ou seja dentro do plano de Deus) o Papa diz que a utilização do preservativo PODE ser UM PASSO para desenvolver de novo a consciência do real valor da sexualidade humana. PODE SER UM PASSO para que essa pessoas compreendam que ELAS NÃO PODEM FAZER TUDO O QUE SE QUER!
Veja a integra do que disse Bento XVI sobre o assunto:
“Concentrar-se só no preservativo quer dizer banalizar a sexualidade e esta banalização representa precisamente o motivo pelo qual muitas pessoas já não veem na sexualidade a expressão de seu amor, mas só uma espécie de droga, que se fornecem por sua conta. Por este motivo, também a luta contra a banalização da sexualidade forma parte do grande esforço para que a sexualidade seja valorizada positivamente e possa exercer seu efeito positivo no ser humano em sua totalidade. Pode haver casos justificados singulares, por exemplo, quando uma prostituta utiliza um preservativo, e este pode ser o primeiro passo para uma moralização, um primeiro ato de responsabilidade para desenvolver de novo a consciência sobre o fato de que nem tudo está permitido e de que não se pode fazer tudo o que se quer. No entanto, este não é o verdadeiro modo para vencer a infecção do HIV. É verdadeiramente necessária uma humanização da sexualidade.”
O Texto esta muito claro . Em nenhum momento ele liberou o uso ou muito menos incentivou o uso de preservativos. Ele esta dizendo que em casos extremos onde a relação sexual não tem nenhuma das sua finalidades (Unitiva e procriativa), mas tem uma finalidade financeira, nesses casos onde a relação sexual não tem nenhuma moral e está totalmente desviada e desumanizada, a utilização de preservativos seria considerado como um passo para um dia essas pessoas possam ENTENDER que NÃO EXISTE “SEXO SEM COMPROMISSO”, que não pode ser feito de qualquer maneira ate um dia santificarem a sua sexualidade.
O Papa não iria contra o seu próprio discurso em viagem aos Camarões e Angola de 2009:
“Não se pode superar o HIV com a distribuição de preservativos: ao contrário, aumentam o problema.” (viagem apostólica do Santo Padre Bento XVI aos Camarões e Angola -17-23 de março de 2009) [1]
O Vaticano já se pronunciou contra essas falsas notícias dizendo:
“O Papa considera uma situação excepcional em que o exercício da sexualidade representa um verdadeiro risco para a vida do outro. Nesse caso, o Papa não justifica moralmente o exercício desordenado da sexualidade, mas considera que a utilização do preservativo para diminuir o perigo de contágio é ‘um primeiro ato de responsabilidade’, ‘um primeiro passo para o caminho para uma sexualidade mais humana’, em lugar de não utilizá-lo, colocando em risco a vida de outra pessoa”. [2]
Deus Abençoe nossas Famílias
Marcelo Maia
Sempre em busca da Verdade


terça-feira, 16 de novembro de 2010

Cruzados... Precisam-se!

http://saudedalma.blogspot.com/2010/11/cruzados-precisam-se.html

(Sua Santidade, o Papa Pio XII, Radiomensagem de natal em 1942)
Imagine uma tarde de sexta-feira em Detroit, com uma mesquita cheia de seguidores de Maomé, reunidos para rezar. De repente, vários terroristas “cristãos” armados invadem o local, matam o imã e fazem reféns os presentes. Quando começam a perder o tiroteio que se seguiu com a polícia e militares que acorreram ao local, eles explodem seus cinturões-bomba. O resultado é de 58 mortos e 75 gravemente feridos ou mutilados.
Qual seria a reacção da assim chamada opinião pública mundial, ou melhor, da media liberal, “celebridades” e líderes políticos? Haveria um coro ensurdecedor contra esse grande ato de crueldade e infâmia: Como alguém pode atacar pessoas pacíficas, no próprio ato de orar?

Então, por que o espectáculo do sangrento ataque de Al-Qaeda à catedral siríca católica de Nossa Senhora da Salvação, em Bagdá, no passado dia 31 de Outubro (que deixou mais de cinquenta mortos e quase uma centena mutilados) não provoca o mesmo alvoroço e indignação? As notícias, análises e comentários de jornalistas, “celebridades” e funcionários governamentais foram discretos e comedidos.
Nos dias em que o comunismo dominava metade do mundo e influenciava os intelectuais na outra metade, o “politicamente correto” estabelecia que a indignação devia manifestar-se somente quando era a esquerda que sofria um ataque. Os massacres comunistas foram ignorados ou relatados em linguagem “neutra” e soporífera. A mesma “correcção política” parece estar sendo agora aplicada ao terrorismo islâmico.
Mas voltemos ao massacre na catedral católica siríaca de Bagdá.
“Em todo lugar há sangue. A atmosfera está muito tensa. Eles entraram no confessionário e atiraram no padre “, disse um jovem de 18 anos que não quis ser identificado e sobreviveu ao pesadelo.
Foi um massacre lá …. Nós cristãos não temos protecção suficiente. O que devo fazer agora? Deixar o país e pedir asilo?” − comentou Raed Hadi, membro da família de uma das vítimas.
De acordo com um jovem que estava presente e sobreviveu, os terroristas “entraram na igreja com as suas armas, vestindo uniformes militares. Invadiram o local de orações e imediatamente mataram o padre.
Monsenhor Pio Kasha, da Igreja Católica Siríaca, comentou: “Foi uma carnificina”.
O mesmo Monsenhor descreveu o ataque: “Os homens que realizaram os ataques eram muito bem organizados, [como fica patente] pela maneira como entraram … bem preparados e armados com metralhadoras, cintos de explosivos, e tudo o mais que poderiam precisar …. Como eles rapidamente fecharam as portas e encerraram os fiéis. Então, as forças de segurança vieram e …. foi uma verdadeira tragédia, tantas vidas perdidas …”
O Pe. Douglas Yousef Al-Bazy, que fora sequestrado em 2006 e trabalhara com os dois padres executados, fez a seguinte declaração: “Aqueles que dizem que estamos seguros, que podemos viver em paz no Iraque, são mentirosos. Mas nós vamos ficar neste país, porque ainda há pessoas cristãs aqui e ainda temos uma missão aqui”.
O Pe. Wassim Sabih, um dos dois sacerdotes assassinados na igreja, empunhou um crucifixo e pediu aos terroristas que matassem a ele e poupassem os fiéis: a resposta deles foi jogá-lo no chão e crivar o seu corpo de balas.
Marie Freij, uma paroquiana, foi ferida na perna e ficou por três horas no chão, encharcada no próprio sangue e no dos padres. Sua declaração no hospital mostra a sublimidade da fé: “Eu pensei que talvez escapasse com vida, mas mesmo que não conseguisse, eu estava na igreja, e estaria bem”.
“Vários sobreviventes”, relata The New York Times, “disseram que muitas das mortes ocorreram quando os homens armados entraram e começaram a disparar indiscriminadamente nas pessoas, nos ícones da igreja e até mesmo nos vitrais das janelas. Eles descreveram a ferocidade dos atacantes, alguns dos quais falavam em dialectos de outros países árabes, como se a própria visão do interior da igreja os tivesse enraivecido. ‘Eles pareciam loucos’, disse Ban Abdullah, um sobrevivente de 50 anos de idade.
O bárbaro acto de terrorismo foi reivindicado por um grupo terrorista ligado a Al-Qaeda, o “Estado Islâmico do Iraque”. De acordo com o site na Internet Intelligence Group, esse grupo divulgou o seguinte comunicado:
“Os Mujahidins invadiram um imundo ninho do politeísmo, que tem sido há muito considerado pelos cristãos do Iraque como quartel-general de uma guerra contra a religião do Islão, e foram capazes, pela graça de Deus e Sua glória, de capturar aqueles que estavam ali reunidos e assumir pleno controle de todas as entradas do local”.
A Missa é a renovação sacramental incruenta do Santo Sacrifício do Calvário, em que nosso Redentor derramou seu sangue por nós na mais terrível das mortes, aceita voluntariamente para nossa salvação. Nesta Missa em Bagdá, no domingo 31 de outubro, o sangue dos fiéis se misturou com o do Salvador, fazendo com que o Santo Sacrifício, que é sem derramamento de sangue em sua essência, se tornasse sangrento em seus acidentes.
“O sangue dos mártires é semente de cristãos” (sanguis martyrum semen Christianorum), segundo a expressão consagrada de Tertuliano. Possa o sangue derramado pelos nossos irmãos na Fé, oprimidos pelo islamismo no Iraque e noutros países, obter do Deus Todo-Poderoso a graça de despertar no Ocidente, a coragem necessária para enfrentar os inimigos do Cristianismo bem como a vontade de lutar pela verdadeira Fé de Nosso Senhor Jesus Cristo.
A agência de Notícias AsiaNews, publicou mais um ataque brutal contra Cristãos no Iraque. Dessa vez dois fiéis foram mortos ontem, 07 de Novembro,Louay Daniel Yacoub, 49 anos, estava na frente de seu apartamento quando desconhecidos o mataram a tiros. Outro cristão foi assassinado no mesmo dia, mas sua identidade ainda não foi divulgada, segundo fontes locais, por questões de segurança.
As mortes acontecem, uma semana depois do massacre na Igreja Nossa Senhora da Salvação, em Bagdá.

Os Cristãos de Bagdá realizaram ontem a primeira missa na catedral católica-sírio de Nossa Senhora da Salvação, após o massacre de 31 de Outubro. O interior estava sem bancos, por toda a extensão do corredor centenas de velas foram colocadas no chão, formando uma grande cruz no meio dos quais foram colocados os nomes de 46 vítimas do massacre do domingo. "Hoje nós rezamos por aqueles que que atacaram nossa igreja e mataram os nossos fiéis e nossos sacerdotes", disse o padre Mukhlas Habash em sua homilia, citando os nomes de dois padres de 32 e 27 anos de idade que morreram no ataque. Seus rostos sorridentes são exibidos em cartazes colados nas paredes crevadas de bala da catedral.

* * *
É POR ISTO QUE NÃO ADMITO QUE ALGUÉM FALE, INSINUE, CRITIQUE OU SE INSURJA À MINHA FRENTE, CONTRA AS GLORIOSAS CRUZADAS!


CRUZADOS DO SÉCULO XXI
CONTRA OS INFIÉIS, POR DEUS, POR CRISTO, PELA CRUZ

Os tempos mostrarão e porão a nu toda A VERDADE sobre a História.

Foram e sempre serão plenamente legítimas as Cruzadas.
Isso será mostrado, pelos tempos, aos melosos sentimentalistas - mesmo católicos - defensores dos malditos "respeitos humanos", dos assassinos e criminosos.
Isto é o começo desses tempos.

Fonte: Blog Saúde da Alma.
________________________________________________________________________________
Comentários de Leonardo Campos/ Apostolado Shemá

Todos nós temos o direito de culto e temos o dever de respeitar o culto alheio. Em contra partida, não se igualando a terroristas, também temos o dever Católico de defender nossa fé tal como ela é e denfender nosso direito de culto.
Isso foi o que fizeram as cruzadas de outrora, estas que os inimigos da igreja com muita competência conseguiram desfigurar e torcer, trasformando a verdade no engodo do ódio aos Cruzados. 
Estes honrados homens que defenderam os fiéis católicos destas mesmas barbáries que vemos nesta postagem devem clamar nos céus pelo surgimento de seus herdeiros.
Muitos deram suas próprias vidas em troca de vidas inocentes.
Que sejamos hoje novos Cruzados.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Dom José Cardoso ARAUTO DA VERDADE !


É de conhecimento de todos que desde o dia 30 de junho de 2010 O Santo Padre Bento XVI aceitou a renúncia de Dom José Cardoso Sobrinho ao governo da Arquidiocese de Olinda e Recife, nomeando para o cargo o então Bispo de Sobral dom Antônio Fernando Saburido, pois bem, passou um ano de pastoreio de Mons. Saburido a frente de Olinda e Recife e não vimos nenhum avanço significativo,apesar das promessa no nível do social e da "Igreja para todos", ou "igreja dos pobres" nossa realidade continua se não a mesma, mudou para pior, nesses últimos 04 meses de campanha eleitoral ao contrário de outros prelados o nosso Arcebispo silenciou, foi omisso, deu apenas uma declaração após a Arquidiocese ser pressionada de estar apoiando candidatos abortistas, denúncia essa feita por um blog católico, ao contrário de nosso Pastor que apesar de tudo merece nosso respeito, dessa vez foi diferente, até o Papa se manifestou sobre as eleições no Brasil e aqui em Recife a voz da Igreja só ecoou graça a uns poucos que nao se alinharam as políticas arqudiocesanas, a quilômetros de distância na pacata cidade de Goiana reside um verdadeiro sucessor dos apostólos, desde o inicio da campanha eleitoral Dom José já falara aos mais próximos sobre a necessidade de não eleger a então candidata Dilma, por ser favorável ao aborto, restando poucos dias ao pleito do segundo turno, o Santo Padre emitiu parecer lembrando aos Bispos que quando o assunto é a Vida, os Bispos podem e devem interferir na política e orientar seus súditos a serem veementemente contra os abortistas, Dom José não muito habilidoso com internet pediu ajuda para obter o pronunciamento do Santo Padre e já na quinta feira mandou reproduzir cópias para serem entregues no convento carmelita, bem como em toda cidade de Goiana, alertando aos fiéis ao dever de obedecer a Igreja, Já aqui em Olinda e Recife o que vimos? apenas um ou outro padre falando sobre o documento enquanto nosso pastor e a maioria do cleto silenciava ou mais uma vez ficava em cima do muro com medo da repercussão e dos "problemas" que poderia ocorrer se ficassem a favor da Igreja, podem até serem contra mais até que prove o contrário nosso Arcebispo foi omisso, enquanto a 80Km de distância uma guerreiro não temia e defendia com toda a sua vida o evangelho. VIVA DOM JOSÉ CARDOSO, DESDE JÁ IMORTAL NOS ANAIS DA IGREJA DO BRASIL. 

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM