ÚLTIMAS POSTAGENS

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

01 Ano depois...



No próximo dia 16 de Agosto comemoramos, em Olinda e Recife, um ano de posse de Dom Antonio Fernando Saburido a frente do Governo da Igreja em Pernambuco. No ultimo domingo 01/08 Dom Fernando concedeu entrevista ao Jornal do Comercio, falando dos desafios de estar à frente de uma das maiores Dioceses do Brasil. Vale ressaltar também que nem tudo são flores nesse primeiro ano de gestão. Dom Fernando veio com uma visão que, na minha opinião, é um pouco distorcida da realidade de Olinda e Recife. Não sei, se essa visão foi se moldando ao longo do período em que trabalhou como Bispo auxiliar (2000-2005), ou foi repassada pelos seus amigos de presbitério e episcopado (uma vez que se tornou pública, durante o período de escolha do novo arcebispo, uma preferência da CNBB NE 2 por dom Fernando. Comenta-se que alguns membros da CNBB chegaram a ir ao Vaticano defender o nome de Dom Fernando à Olinda e Recife.), Dom Fernando aplicou em alguns uma espécie de injeção de entusiasmo. Para alguns é como se ele fosse o próprio Cristo, mas não vi, nesse 1º ano de seu pastoreio em Olinda e Recife, motivos de tanto entusiasmo.

Nossa Arquidiocese regrediu uns 15 anos em apenas 1, quem leu o livro do professor Elcias(A VITORIA DA FÉ), sabia o que era o ITER e o SERENE que o Arcebispo resolveu ressuscitar dentro da Universidade Católica. Dom José sofreu muito para fechar tais estabelecimentos de ensino por saber que ali não era um ambiente adequado a formação de seminaristas. Dom José gastou muito com a formação de padres no exterior para serem referenciais, exercendo o sacerdócio ministerial com excelência, sacerdotes esses como o Pe. Nildo, Pe. Moisés, Pe. Cicero, Pe. Fabiano entre outros, porém o novo Arcebispo fechou o seminário maior e menor e matriculou os seminaristas na UNICAP, o Arcebispo também foi responsável pela volta de sacerdotes que estavam suspensos de ordens dentro de nosso território arquidiocesano; Dom Fernando declarou no JC, que agradecia a Dom José por não se intrometer na Arquidiocese e que o abacaxi agora é dele, a tendenciosa matéria publicada pelo JC mais uma vez quer mostrar uma espécie de despreparo do predecessor de Dom Fernando, que todo católico sabe muito bem que a verdade é justamente o oposto. Nosso metropolita é sempre visto em reuniões com políticos do PT, sempre foi ligado aos movimentos eclesiais de base que a CNBB insiste em empurrar goela abaixo do católico brasileiro, retomou a Comissão de Justiça e Paz ( que só serve ao MST), além de chamar para coordenar uma das comissões o Pseudo padre Reginaldo Veloso, que não pediu dispensa de ordem a Roma e casou-se, um verdadeiro herege, Hoje intitulado presbítero das cebs.


Dom Fernando causou polêmica no inicio do ano ao revelar a um jornal que, em caso de estupro, ele seria a favor do aborto. Declaração essa que foi desmentida pelo próprio Arcebispo em nota divulgada a toda imprensa, não se sabe ao certo, mas no ultimo mês de julho o Pe. Nildo da Imbiribeira declarou que não mais celebraria a santa Missa no rito gregoriano. Os jovens que participam da celebração se moveram rapidamente e conseguiram reverter a decisão do Pe. Nildo com a ajuda do próprio arcebispo. Alguns afirmaram que tal motivação do Pe. Nildo seria fruto de uma perseguição que ele sofre dentro da Igreja de Olinda e Recife, os vigários gerais de Olinda e Recife também são estranhos, falta alguma coisa, não se sabe o que, e se sabem não se revelam, a verdade é que, na minha opinião, estamos vivendo um episcopado de fantasia, faz de contas que estamos feliz com o Arcebispo pelas coisas que ele tem feito, mas a realidade é que são poucos os felizes com as atitudes do metropolita. Pode-se dizer que ninguém agrada a todos, nem Jesus agradou, mas tudo parece muito fantasioso, essa alegria toda não é fruto do Espírito Santo, mais parece ser algo ensaiado.


Bem, eu rezo para que mais uma vez esteja eu errado.

0 comentários:

Postar um comentário

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM