ÚLTIMAS POSTAGENS

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Bélgica: demissão em bloco da comissão encarregada de investigar as queixas de abusos sexuais contra membros da Igreja

(28/6/2010)

A Comissão encarregada de investigar as queixas de abusos sexuais contra membros da Igreja Católica da Bélgica anunciou que vai apresentar a sua demissão em bloco na próxima Quinta-feira, 1 de Julho.

O presidente da comissão, Peter Adriaenssens, anunciou que a comissão vai recomendar um outro acolhimento para as vítimas de abusos em sua igreja.

Os membros da Comissão consideram que a “indispensável confiança” com as autoridades judiciais desapareceu, após as buscas da última semana, quando a polícia belga revistou a sede Arquidiocese de Bruxelas, em busca de provas associadas a denúncias de pedofilia.Nas buscas foram confiscados todos os documentos de trabalho da referida comissão, relativos a 475 cidadãos.

“Esperamos que, a seguir a esta demissão, sejam tomadas medidas construtivas e que a prioridade seja dada às vítimas”, indicam os membros da comissão, apelando à “discrição” face às vítimas e a “sanções adequadas” para os abusadores.

O Papa enviou uma carta ao presidente dos bispos belgas, D. Andre Joseph Léonard, a expressar solidariedade e a classificar como “deploráveis e surpreendentes” as buscas realizadas pela polícia.


Fonte: Rádio vaticano


___________________________________________________________________

Papa condena acção policial contra Bispos na Bélgica . Bento XVI fala em acções «surpreendentes e deploráveis» durante buscas por causa de alegados casos de pedofilia



(28/6/2010)


Bento XVI condenou este Domingo o que considerou como acções “surpreendentes e deploráveis" contra os Bispos da Bélgica, por parte das autoridades judiciárias e policiais do país.

O Papa manifestou-se após as mais recentes buscas na sede e na Catedral da Arquidiocese de Malinas-Bruxelas, por alegada ocultação de casos de pedofilia.

Numa carta carta ao arcebispo de Bruxelas, D. André Leonard, Bento XVI expressa “solidariedade” aos bispos belgas e deixa votos de que a Justiça belga siga o seu curso, com respeito pela Igreja.

"Desejo expressar, caro irmão do episcopado, assim como a todos os bispos da Bélgica, a minha proximidade e solidariedade neste momento de tristeza, depois de, com algumas modalidades surpreendentes e deploráveis, terem sido feitas buscas, inclusive na catedral de Malinas e nas dependências do local onde o Episcopado belga estava reunido em sessão plenária", refere a carta divulgada pela /a> .

O Papa recorda que durante esta reunião estavam a ser tratados “aspectos ligados a abusos contra menores da parte de membros do clero”.

“Eu próprio repeti numerosas vezes que estes graves factos devem ser objecto da ordem civil e da ordem canónica, no respeito recíproco da especificidade e da autonomia de cada um", prossegue a carta de Bento XVI ao arcebispo de Bruxelas.


Fonte : Rádio Vaticano

quinta-feira, 24 de junho de 2010

As mais antigas imagens dos apostolos e de Jesus.

No dia 22 de Junho de 2010 (terça-feira) o Vaticano apresentou uma descoberta incomum nas catacumbas do quato século.

Na catacumba de Santa Tecla foram encontradas imagens as mais antigas imagens que revelam claramente a veneração aos apóstolos.

Monsenhor Giafranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho para a Cultura membros da Comissão de Arqueologia Sacra apresentaram as imagens após a restauraçào que perdurou por dois anos.

Assista a reportagem feita pela TV Canção nova:



quarta-feira, 23 de junho de 2010

DESASTRES EM PERNAMBUCO



Aos amigos Católicos de todo o Brasil;

Prezados irmãos e irmãs em Cristo Jesus, desde o dia 14 de junho os estados de Pernambuco e Alagoas, vem sofrendo com a chuva que devastou cidades e já deixou mais de 40 mortos em ambos estados e mais de 700 desaparecidos nossa Igreja nos ensina que (a solidariedade é uma virtude eminentemente cristã que pratica a partilha dos bens espirituais mais ainda que dos materiais CIC 1949), São Tiago nos exorta em sua epístola acerca da caridade e das obras, de nada adianta uma fé sem obras, é morta Tg. 2, 17-19 , assim cumprindo o mandamento de Nosso Senhor Jesus Cristo, nossa Santa Igreja nos estimula e recomenda a ajuda ao próximo e aos mais necessitados, é nesse ponto que eu queria chegar, queridos amigos; dezenas de milhares de famílias estão sem o que comer neste exato momento, gostaria de pedir sua ajuda, sua colaboração, sobretudo para duas cidades; Barreiros e Palmares, cidades localizadas n a mata sul de Pernambuco a 130 km de Recife, 95% de ambas as cidades estão completamente destruídas, sem água, luz, telefone, comida, roupas. Restam a esses irmãos somente a lembrança de um dia ter possuído uma casa e um "cantinho" onde encostar a cabeça à noite e dormir, passado o período de chuvas a situação torna a piorar,pois, surgem as doenças como; malária,febre amarela, leptospirose, dengue, hepatite e o fim desses irmãos nós já conhecemos, a morte.

Por isso meus irmãos, estive na região afetada hoje para levar um pouco de ajuda e minha solidariedade aos irmãos daquelas cidades, me senti no Haiti, Etiópia ou em Angola. Crianças já no inicio da cidade pedindo comida, somente de cueca e todas meladas de barro e lama. Ao entrar na cidade o mau cheiro impera, uma mistura de lama e supostamente cadáveres em estado de putrefação nos leva a respirar pela boca. O sentimento de impotência e de ineficiência nos leva ao choro, só quem já passou sabe o quanto dói, ver uma criança pedir comida e você dizer que não tem, tinha até um pouco de dinheiro que podia dar ao menino, mas, para que dar dinheiro? Comprar onde? Ou o quê? Não tinha nada,a cidade acabou, somente a misericórdia de Deus pode dar conforto e forças aqueles que de uma hora para outra perderam tudo, mas, nesses momentos percebemos a força de Nossa Igreja e a promessa feita quando Jesus disse que nem as portas do inferno iriam prevalecer, em ambas as cidades, em meio a toda destruição os templos católicos estavam em pé, imponente em meio à desgraça, como âncora em meio à tempestade, de braços abertos prontos a receber a quem a procurava, conversei com o Bispo Diocesano, sua excelência Dom Genival Saraiva que estava praticamente em estado de choque, vendo seus filhos em meio à lama como se fossem caranguejos, disputando com os urubus e a lama um pacote de bolacha Maria. As portas de todas as instituições da Igreja se encontram de portas abertas para acolher o povo independente de religião, com o pouco que temos e dividir conforme nos ensinou o Messias.

Por isso, queridos amigos estou aqui, para pedir a ajuda de vocês, escutei em meio às lágrimas a seguinte frase de um comerciante que perdeu o comércio,casa, carro enfim tudo, * se alguém nos ajudar com um palito de fósforo nos agradeceremos, pois não temos nada, de um dia para outro viramos mendigos, pedintes*, o corpo de bombeiros, disponibilizou contas para serem feitos depósitos, eu, com ajuda de alguns amigos benfeitores, estamos mais uma vez nos organizando com cestas básicas,roupas e materiais de higiene, se alguém desejar ajudar de qualquer lugar do Brasil e do mundo é só entrar em contato comigo, peço a ajuda e conto com a misericórdia de vocês. Pois quem dá ao pobre agrada ao Criador. A Paz e o amor de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja presente no coração de todos.

EMAIL: andersonmacena@ yahoo.com.br

FONE: 81- 3477 4846 81-3475 8225 81- 9665-6561

terça-feira, 22 de junho de 2010

Quem propaga a Confusão? Em CNBB?!

Inscrito no Site da CNBB como catequista (O que fiz por pura curiosidade) eis que recebo um email da própria, dirigido a todos os catequistas, desejando os parabéns pelo seu dia (dia 29 de Agosto) e anexado a este email um arquivo em PDF para ser usado como manual liturgico para o dia em questão (Quem quiser ler, click aqui).


Neste email consta a forma que deve ser celebrado o dia do catequista. Preste bem atenção nos detalhes.


O texto diz em uma de suas parte:"Querido/a Catequista, recomendamos que a Celebração seja preparada com antecedência pela equipe de liturgia juntamente com a equipe de cantos. Cuide para que a simbologia, o ambiente, a procissão, os ritos, os gestos, os cantos estejam de acordo com o que está sendo sugerido. Poderão ser feitas as adaptações necessárias, mas que não diminuam o significado, o sentido daquilo que está sendo celebrado."


Temos a lógica ideia de que a CNBB, não só concorda com o que esta divulgando (Se não não o faria) como propaga como a forma correta de celebrar.


Adiante encontramos um texto de Ione Buyst sobre liturgia e seus símbolos:


“Como superar séculos de divisão entre matéria e espírito, corpo e alma, sentimento e ideia? Como recuperar a vivência unitária de nossa pessoa? Como tomar consciência dos nossos corpos? Como recuperar o realismo corporal dos gestos sacramentais? Os sacramentos, assim como toda liturgia, nos propõem um conjunto de ações simbólicas, gestos corporais que permitem à comunidade entrar em comunhão com o Senhor e se engajar em seu caminho, aqui e agora. Quando levantamos as mãos em prece, elas expressam o desejo que brota do fundo de nós mesmos? Deixamo-nos envolver pela beleza das flores, ou das cores que o sol projeta na parede, ou das formas arquitetônicas do local? Vibramos com o toque do atabaque ou do violão e acompanhamos o ritmo com movimentos do corpo?” (Ione Buyst, Liturgia de Coração, p.64)


Achou algo estranho?


Para quem não conhece Ione buyst leia:


http://www.mitranh.org.br/s1/index.php?option=com_content&view=article&id=1558:ione-buyst-e-sua-doutrina-da-confusao-dos-sacerdocios&catid=124:gerais&Itemid=81

http://www.salvemaliturgia.com/2010/02/ione-buyst-e-sua-doutrina-da-confusao.html

http://www.mensagensdemaria.org/estudos_ver.php?codigo_estudo=19



Dai por diante segue todo "manual" da celebraçào do dia do catequista. Algo familiar com a "forma" TLista de celebrar? Qualquer semelhança é meramente... Não! é TL mesmo.


Porque será que as missas necessitam, ano após ano, de novidades para serem apreciadas?

O afastamento da liturgia ,da forma correta, esta enfraquecendo o rito quando não o tornando inlícitos ou inválidos.

Padres fazem o que querem com a liturgia, em contra partida, o leigo sente-se no mesmo direito e toda a ideia TLista os coloca, Sacerdote e leigo, no mesmo patamar liturgico. Isso é um erro grave.


Pelos aspectos deste pequeno manual elaborado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética e, logicamente, sancionado pela CNBB, percebemos que a propria CNBB está de acordo com uma maior expressão humana da celebração (levando em consideração o texto e a pessoa que o escreveu e que dá inicio a meditação da celebração).

Expressão esta que nos leva ao mero teatro litúrgico, esvaziando o verdadeiro sentido do sacrifício do cordeiro.

Não precisamos fingir a adoração a Deus quando ela brota do nosso coração.


lamentável.

sábado, 19 de junho de 2010

Copa do Mundo - Cristo Ressuscitou, em Verdade Ressuscitou !



Cristo Ressuscitou, em Verdade Ressuscitou !!! Acredito que o idioma seja o grego. Que exemplo para os brasileiros, não? Vamos ver se aparece alguma coisa por aí na Copa.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Pai nosso revolucionário da Pastoral da Juventude

Além de Trem, agora eles possuem um Pai Nosso próprio e herético. É de lascar.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

O Trem das CEB's vai para o céu?



quarta-feira, 9 de junho de 2010

ORLANDO FEDELI E O ENCONTRO COM O PAI

São Paulo, 09 de junho de 2010.
Falece o Professor Orlando Fedeli, grande defensor da fé na Igreja do Brasil.

No site da Associação Cultural Montfort está a seguinte noticia.

A Associação Cultural Montfort comunica o falecimento de seu presidente e fundador
Orlando Fedeli
E pede a seus alunos e a todos os que o conheceram orações por sua alma.
Montfort
São Paulo, 09.06.2010
Prof. Orlando Fedeli, assim como Sao Paulo, combateu o bom combate, abriu a cabeça de muitos sobre a verdadeira face da TL e mostrou realmente quem era a CNBB, remou contra maré, contra os Fabios de Melos da vida,Marcelo Rossi, Joaozinho e trupe, sempre com respeito, mas, acima de tudo fiel a Igreja e a sua Doutrina, era polêmico por que nao se curvava perante o governo A ou B, um verdadeiro catolico é isso que podemos definir em uma so palavra. Hoje, ele guarda a carreira e a fé, mais vai para O Pai e lá com certeza receberá a imarcescivel coroa da Glória. A nós que ficamos na terra, resta nao deixar morrer sua obra e com a intercessão dele ajudar na defesa da Fé. Prof. ORLANDO FEDELI, DESCANSE EM PAZ !

terça-feira, 8 de junho de 2010

MISSA EM LATIM X MISSA AFRO



Analise e verás.

No último domingo resolvi asistir à Santa Missa na forma Extraordinária, e lá fui ao Bairro da Imbiribeira em recife ( Unico local da Arquidiocese que ate onde eu me lembre, se celebre a missa),
e lá vi a belissima celebração presidida pelo Pe. Nildo Leal, o som do orgão exaltando a belissima celebração que lá acontecia, você realmente sentia o poder de Deus e sua presença naquele templo Santo, nada de 'fazei ressoar', nem de a 'comunidade muito alegre dança'..., nada de deus chama a 'gente para um momento novo.'.., nem dos 'imaos indios'... lá se contemplava e adorava a Nosso Senhr Jesus Cristo. A Missa terminou e lá fui para casa feliz da vida...

Chega a noite e resolvi ir na minha paroquia assitir à missa.

Ao adentrar na Igreja, sou levado a olhar ao crucifixo coberto com uma faixa rosa,vermelha, azul, amarela e preta, ao meu lado direito um vaso com água que me pedia que refletisse o meu rosto para adorar ao Deus agua. Deus água ????
Resolvi sentar para não cair. E entra o sacerdote na Igreja ao som de 'ale ilê',
meninas dançando no corredor central com umas faixas na mãos e várias cruzes feitas de galhos,
o padre entra e diz que a celebração da noite estade acordo com um manual de liturgia da CNBB, que recomendava a celebração daquele modo e assim a missa seguiu até o final, resumo: sai quase que chorando e pedindo perdao por ter ido à missa à noite deveria ter ido somente na da manhã.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Arte Medieval: o Romântico e o Gótico

Com a conversão de boa parte da Europa ao cristianismo, a partir do século 4, a honorável arte clássica, tida como pagã, foi abandonada com a vitória da nova crença pregada pelos Apóstolos de Jesus.

Muitos dos templos religiosos e prédios públicos dos romanos e dos gregos foram destruídos, abandonados ou reaproveitados pelos cristãos.

Lentamente, das ruínas do passado mundo pagão, um novo estilo começou a ser forjado, uma linha artística e estética que melhor expressou o sentimento religioso dos povos convertidos à Cruz.

I - Arte românica (1000 – 1100)
Num primeiro momento, no tempo da Alta Idade Média, denominou-se a expressão artística daquela época de estilo românico, num período posterior, durante a Baixa Idade Média, foi chamado de estilo gótico. O cristianismo oriental, por sua vez, cuja capital espiritual era Constantinopla (Bizâncio), e que somente sucumbiu mil anos depois da queda de Roma, manteve uma identidade estética própria, conhecida como Estilo Bizantino, que muito influenciou a arte medieval ocidental.

A arte românica foi a arte cristã do Ocidente europeu desenvolvida entre os séculos XI e XII. Ela marcou a ruptura com o período clássico da Era Greco-Romana e serviu como ponte para o estilo seguinte, quando então evoluiu para formas arquitetônicas ditas góticas ou ogivais.

Tornou-se a expressão artística dos tempos dos cruzados, das lutas dos mouros contra os cristãos, da proliferação das Ordens Religiosas, das constantes refregas travadas entre o imperador e o papa, e entre os reis e os barões feudais que tanto empobreceram a Europa.

A construção da época foi fundamentalmente religiosa, pois somente a Igreja cristã e as ordens religiosas possuíam fundos suficientes ou pelo menos a organização eficiente para arrecadá-los e financiar o erguimento de capelas, de igrejas e de mosteiros.

Expressão de um tempo belicoso e inseguro, pobre em atividades comerciais e mercantis, os edifícios da época do românico, além de toscos, assemelham-se à fortalezas. Era uma estética da pedra bruta, de paredes expostas quase sem reboco, com um diminuto número de janelas e interiores geralmente sombrios.


Arquitetura

A planta de uma igreja do estilo românico é a mesma da basílica cristã primitiva, dominada pelo horizontalismo; os materiais eram a pedra e o tijolo; criou-se a abóbada para evitar os numerosos incêndios, sendo que o teto de madeira foi substituído pela abóbada de origem bizantina, exigindo paredes espessas para sustentá-la.

Características plásticas: sobriedade, resistência, repetição de elementos construtivos (janelas e colunas geminadas), interior pesado e escuro. Na temática decorativa utilizava-se tanto as linhas gregas, losangos, pontas de diamante, como esculturas de animais e monstros assustadores (gárgulas).

Características gerais do estilo românico:

1 – substituição do teto de madeira por abóbadas.

2 – grande espessura das paredes, poucas janelas.

3 – consolidação das paredes por contrafortes ou gigantes para dar sustentação ao prédio.

4 – consolidação dos arcos por meio de arquivoltas.


II - Arte gótica

Período da arte de estilo gótico estendeu-se por 400 anos (de mais ou menos 1.100 até 1.500). A origem do termo gótico nada tem a ver diretamente com os godos, a antiga nação germânica que invadiu o Império Romano no século 5. Todavia é de supor-se que gótico de alguma lembra algo como "bárbaro", isto é, um estilo do tempo dos bárbaros, quando os godos atropelavam a civilização romana.

Originou-se de uma denominação utilizada pelos refinados artistas renascentistas para designar genericamente um estilo artístico que achavam de mau gosto, exótico, carregado de apelos decorativos e pelo exagero da altura das suas torres. O gótico, igualmente como o romântico, caracterizou-se predominantemente por ser um estilo grandioso de construções religiosas, foi a arte por excelência das magníficas catedrais européias.

A multiplicação delas por toda a Europa Ocidental deveu-se ao prestígio universal da Igreja Católica e da religião cristã, e resultou da competição entre as cidades lentamente enriquecidas pela Revolução Comercial, transformação econômica que deu seus primeiros passos ao redor dos séculos 11 e 12 (na região do Flandres, ao redor do rio Reno e do rio Sena) tendo como conseqüência a ressurreição da vida urbana. Cada cidade da Europa Ocidental tratou então de erguer uma catedral cuja torre fosse a mais alta possível, não somente para melhor atrair o olhar protetor de Deus, como para celebrar a excelência das suas corporações de ofícios em competição com as outras das demais cidades vizinhas.

O gótico, originalmente, foi um estilo marcadamente francês. Do território da França atravessou o Reno penetrando na Alemanha onde, por igual, encontraremos belos exemplos dele.

Todavia bem menos influenciou a arquitetura italiana que ainda mantinha seu apego ao antigo estilo clássico(a exceção foi a arquitetura lombarda, mais sujeita por razões geográficas às influencias transalpinas, como se verificou na construção da catedral de Milão).

A Divisão da arte gótica: expressa-se, sobretudo, na arquitetura, a qual determina as demais artes; sendo que a pintura e a escultura (como no período romântico) são apenas complementos decorativos.

A divisão do estilo gótico dá-se em quatro períodos:

I Período: século XII (1100-1200) chamado período de transição ou gótico primitivo. Ainda pouco elevado, o arco ogival ou quebrado é usado juntamente com o arco romântico. Ensaia-se o verticalismo procurando romper-se, ainda que com hesitação, com o horizontalismo do estilo românico. As fachadas das igrejas e das catedrais passam a ser enriquecidas com esculturas decorativas.

II Período: século XIII (1200-1300) chamado gótico lanceolado. O arco ogival torna-se bastante elevado, sendo formado por um triângulo agudo. Acentua-se o verticalismo com o aperfeiçoamento e o uso constante da divisão da abóbada. Generaliza-se o uso do vitral (o cinema do crente daquela época) e as fachadas assumem maior decorativismo e suntuosidade. É a época da construção das grandes catedrais que surgem por toda a Europa, tais como a Notre Damme de Paris, a Catedral de Chartres e a Catedral de Milão.

III Período: século XIV (1300-1400) chama-se gótico irradiante. O arco ogival perde a sua agudeza e passa a ser formado por um triângulo eqüilátero. Suas nervuras decorativas constituem-se de elementos circulares. Atenua-se ligeiramente o verticalismo. As fachadas continuam recebendo suntuosa decoração.

IV Período: século XV (1400-1500) chama-se gótico flamejante ou "flamboyant". O Arco ogival é agora formado por um triângulo obtuso, tornandoinema do crente daquela época) e as fachadas assumem maior decorativismo e suntuosidade. É a época da construção das grandes catedrais que surgem por toda a Europa, tais como a Notre Damme de Paris, a Catedral de Chartres e a Catedral de Milão.
-se ainda menos agudo, tendendo ao horizontalismo. As nervuras decorativas no interior dos arcos, das janelas, e portais, pela posição das curvas e contracurvas, surgem labaredas. Atenua-se acentuadamente o verticalismo. Fachadas profusamente decoradas.


Características gerais do estilo gótico

1 Verticalismo.

2 Arco quebrado ou ogival.
3 Abóbada de arcos cruzados.

4 O vitral.


Pintura gótica: A pintura da Europa Medieval sofreu influência direta da pintura bizantina, sendo integralmente religiosa. Caracterizou-se pelo geometrismo, pelo estatismo e pelo abandono da perspectiva e da proporção, tão comuns à arte clássica antiga. As figuras eram apresentadas em rígida posição hierárquica, retrato vivo de uma época que pretendia se eternizar. A imagem do papa ou do imperador do Santo Império sempre era apresentada numa escala bem maior do que o restante dos integrantes da cúria ou da corte.

Havia uma enorme gama de artistas, todos anônimos, especializados em vitrais e retábulos assim como na pintura de murais. Todos estavam subordinados à orientação dos mestres-construtores, tais como os famosos Jean Le Loup, Jean D´Orbais, Robert de Luzarches ou Pierre Montereau. É característica de uma época que ignorava as singularidades da individualidade que muitos artistas permaneceram desconhecidos, visto que o período medieval foi uma época de apogeu do corporativismo, fazendo com que os autores não assinasse suas obras. Assim, pouco sabemos deles.


Lentamente, no período que alguns chamam de pré-renascimento, entre os século 13 e 15, os artistas libertam-se das corporações de ofício, passando a atender encomendas particulares, então alguns nomes tornaram-se conhecidos, com o do francês Jean Fouquet, ou dos italianos Cimabue e Giotto di Bondone, Masaccio, Bernardo Daddi e Buffalmaco, que ficaram conhecidos como os mais famosos pintores do gótico tardio (se bem que muitos historiadores negam-se a classificá-los assim, preferindo a denominação de pré-renascentistas já mencionada acima).

Cada um deles tratou logo de formar a sua própria oficina (hoje denominamos de atelier), atraindo para trabalhar com eles uma leva de jovens aprendizes, muitos, por sua vez, tornando-se mais tarde mestres-artistas.


Coube ao Renascimento, com sua revalorização do estilo clássico greco-romano, terminar por sepultar o Gótico de uma vez por todas. Houve ainda, em pleno século 19, por força do gosto romântico, em meio à expansão da industrialização, um pequeno surto de construções no estilo gótico na Grã-Bretanha, chamado de neogótico ou de Gótico Vitoriano, ocasião em que se projetou e construiu o prédio do Parlamento inglês, situado à beira do rio Tamisa.

Durante muito tempo, particularmente na época do Iluminismo, identificou-se o gótico como um estilo que lembrava uma época histórica dominada pelo fanatismo religioso e pela superstição, cenário tão bem retratado por Victor Hugo (na novela "Nossa Senhora de Paris").

Com o passar dos tempos, especialmente em época mais recente, houve uma revalorização do gótico, uma admiração pela sua concepção grandiosa da arquitetura e pelo seu esforço decorativo, aparecendo ao homem contemporâneo como um estilo-testemunho, uma marca impressionante da história da cultura ocidental.


Bibliografia

Hauser, Arnold – História Social da Literatura e da Arte.

Meiss, Millard – Pintura em Florencia y Siena después de la Peste Negra.

Yarza, Joaquin – Arte y Arquitectura en España (500- 1250).

Panowsky, Erwin – Arquitetura Gótica e Escolástica: sobre a analogia entre arte, filosofia e teologia na Idade Média.

Fonte: http://educaterra.terra.com.br/voltaire/cultura/2005/07/14/000.htm

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Bispo católico é morto na Turquia um dia antes de encontrar papa

Por Ayla Jean Yackley

ISTAMBUL (Reuters) - Um bispo católico, figura importante nas comunidades cristãs no Oriente Médio, foi esfaqueado até a morte em sua casa no sul da Turquia nesta quinta-feira, e a polícia prendeu seu motorista por suposta ligação com o ataque.

O Vaticano e o governador local rejeitaram a possibilidade de motivos políticos por trás do assassinato do bispo Luigi Padovese, vicário apostólico para Anatólia, em Iskenderun.

Padovese, de 63 anos, ia viajar ao Chipre na sexta-feira para se reunir com o papa Bento 16, que falará sobre a violência contra minorias cristãs no Oriente Médio durante uma visita à ilha no fim de semana.

"Eu posso apenas expressar choque, preocupação e solidariedade à comunidade católica sobre essa questão", disse à Reuters o porta-voz chefe do Vaticano, reverendo Federico Lombardi, em Roma.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Aprendendo heresiologia com Leonardo Boff

Primeiro isso, depois minhas críticas:

A edição da revista Isto É – Independente desta semana traz como um dos destaques uma entrevista com o teólogo brasileiro Leonardo Boff, apoiador da Teologia da Libertação, movimento que interpreta o Evangelho à luz das questões sociais. Boff conhece o Papa Bento XVI há mais de 40 anos, quando conviveram na universidade, em Munique, Alemanha, mas acredita que Joseph Ratzinger é complacente com os pedófilos e fechou as portas para as outras religiões. Leia a seguir na íntegra:

"O Papa deveria renunciar"

Para o ex-frei, a Igreja ainda funciona como na Idade Média

O brasileiro Leonardo Boff, 71 anos, e o alemão Joseph Ratzinger, 83, têm uma longa história em comum. Intelectuais de fôlego, respeitados fora dos muros da Igreja Católica, os teólogos se conhecem há mais de 40 anos, quando conviveram na universidade, em Munique, Alemanha. O atual pontífice já era um cultuado professor, admirado pelo jovem franciscano que frequentava como ouvinte suas conferências, enquanto preparava a tese de doutorado - que contou com a ajuda providencial do alemão para ser publicada. Tempos depois, os dois trabalharam juntos em uma prestigiosa revista de teologia.

Durou pouco, pois as contendas ideológicas provocaram a saída de Ratzinger. Mas o encontro mais marcante aconteceu em 1985, quando ambos estavam, definitivamente, em trincheiras opostas, dentro da mesma instituição. Boff já era o grande mentor por trás da Teologia da Libertação, movimento que interpreta o Evangelho à luz das questões sociais. E Ratzinger já havia se tornado o temido cardeal que punia severamente quem se atrevesse a mudar, uma vírgula que fosse, a interpretação oficial da "Bíblia".

O embate terminou com o silêncio forçado do franciscano e sua posterior saída da ordem, em 1992. Vinte e cinco anos depois desse encontro, casado com Márcia Miranda, padrasto de seis filhos e autor de mais de 60 livros traduzidos para diversas línguas, Boff analisa a Igreja da qual nunca se afastou e seu líder máximo. Que ele conhece como poucos.

A Igreja Católica está em crise?

Leonardo Boff - A Igreja possui uma crise própria: até hoje ela não encontrou seu lugar no mundo moderno e no mundo globalizado. Suas estruturas são medievais. Ela é a única monarquia absolutista do mundo, concentrando o poder em pouquíssimas mãos. Nesse sentido ela está em contradição com o sonho originário de Jesus que foi o de criar uma comunidade fraterna de iguais e sem nenhuma discriminação.


Mas a Igreja Católica pode se modernizar sem perder a essência de seus princípios e, consequentemente, sua identidade?

Leonardo Boff - A Igreja se engessou em suas doutrinas, em suas normas, em seus ritos que poucos entendem e num direito canônico escrito para legitimar desigualdades e conservadorismos. Os homens de hoje têm o direito de receber a mensagem de Jesus na linguagem de nossa cultura moderna, coisa que a Igreja não faz. Ela coloca sob suspeita e até persegue quem tenta fazer.


O que o sr. acha que a Igreja Católica deveria fazer para sair dessa crise?

Leonardo Boff - Ela deveria ser menos arrogante, deixando de se imaginar a exclusiva portadora dos meios de salvação, a única verdadeira. Ela se diz perita em humanidade, mas maltrata a muitos desta humanidade internamente e ofende a vários direitos humanos. Por isso que até hoje não subscreveu a Carta dos Direitos Humanos da ONU, sob o pretexto de que ela não faz nenhuma referência a Deus, e retirou seu apoio ao Unicef, porque ele aconselha o uso de preservativo para combater a aids e fazer o planejamento familiar. Uma igreja que afirma constantemente que fora dela não há salvação, ela mesma precisa de salvação.


O sr. acha que os escândalos de pedofilia contribuem para a debandada católica, com fiéis migrando, no Brasil, principalmente, para as igrejas evangélicas?

Leonardo Boff - Muitos cristãos não aceitam ser infantilizados pela Igreja como se nada soubessem e tivessem que receber a comida na boca. Estes estão emigrando em massa. Mas é uma emigração interna. Continuam se sentindo dentro da Igreja, mas não identificados com as doutrinas deste papa, nem com o estilo com o qual ela se apresenta no mundo, com hábitos e símbolos palacianos que os tornam simplesmente ridículos. As igrejas evangélicas crescem porque a católica deixou um espaço vazio.


Muitos vaticanistas dizem que Bento XVI pensa em termos de séculos e não está preocupado em conquistar mais fiéis. O sr. concorda?

Leonardo Boff - Bento XVI é fiel a uma esdrúxula teologia que sempre defendeu e da qual eu ainda como estudante e ouvinte dele discordava. Ele é um especialista em Santo Agostinho, grande teólogo. Santo Agostinho partia do fato de que a humanidade é uma "massa condenada" pelo pecado original e pelos demais pecados. Cristo a redimiu. Criou um oásis onde só há salvação e graça. Esse oásis é a Igreja. Ocorre que esse oásis é uma fantasia. Ele é tão contaminado como qualquer ambiente, haja vista os pedófilos e outros escândalos financeiros.


Como o sr. avalia o pontificado de Bento XVI?

Leonardo Boff - Do ponto de vista da fé, este papa é um flagelo. Ele fechou a Igreja de tal forma sobre si mesma que rompeu com mais de 50 anos de diálogo ecumênico, vive criticando a cultura moderna, desestimula qualquer pensamento criativo, mantendo-o sob suspeita. Todo papa tem a missão imposta por Jesus de "confirmar os irmãos e as irmãs na fé". Esta missão, a meu ver, não está sendo cumprida.


Por quê?

Leonardo Boff - Bento XVI cometeu vários erros de governo com respeito aos muçulmanos, aos judeus, às mulheres e às religiões do mundo. Reintroduziu o latim nas missas em que se reza ainda pela conversão dos judeus, reconciliou-se com os mais duros seguidores de Lefebvre (Marcel Lefebvre arcebispo católico ultraconservador, que morreu em 1991), verdadeiros cismáticos. Enquanto trata a nós teólogos da libertação a bastonadas, trata os conservadores com mão de pelica. É um papa que não suscita entusiasmo. Mesmo assim, convivemos com ele, porque a Igreja é mais que Bento XVI. É também o papa João XXIII, é dom Helder Câmara, é a Irmã Dulce, a Irmã Doroty Stang, é dom Pedro Casaldáliga e tantos e tantas.


O sr. acha que ele deveria renunciar?

Leonardo Boff - O papa, para o bem dele e da Igreja, deveria renunciar. Devemos exercer a compaixão: ele é um homem doente, velho, com achaques próprios da idade e com dificuldades de administração, pois é mais professor que pastor. Em razão disso, faria bem se fosse para um convento rezar sua missa em latim, cantar seu canto gregoriano que tanto aprecia, rezar pela humanidade sofredora, especialmente pelas vítimas da pedofilia, e se preparar para o grande encontro com o Senhor da Igreja e da história. E pedir misericórdia divina.


Como foi a convivência dos srs. no mesmo ambiente acadêmico?

Leonardo Boff - Ouvi-o muitas vezes, pois era um apreciado conferencista. Teve um papel importante na publicação de minha tese doutoral, que, por seu tamanho - mais de 500 páginas -, encontrava dificuldades junto às editoras. Ele encontrou uma, arranjou-me boa parte do dinheiro para a impressão em forma de livro. Depois fomos colegas nas reuniões anuais da revista internacional "Concilium". Mas ele se desentendeu com a linha da revista e criou uma outra, a "Communio", em franca oposição à "Concilium".


Anos depois, em 1985, já na Congregação para a Doutrina da Fé, ele o puniu. Como foi esse encontro?

Leonardo Boff - Ele me fez sentar na cadeira onde sentou Galileo Galilei, no famoso edifício, ao lado do Vaticano, do Santo Ofício e da antiga Santa Inquisição. Foi meu "inquisidor", interrogando-me por mais de três horas sobre o livro "Igreja: Carisma e Poder", que me custou o "silêncio obsequioso", a deposição de cátedra e a proibição de publicar qualquer coisa. Mas devo dizer que é uma pessoa finíssima, extremamente elegante na relação, mas determinado em suas opiniões. E muito, mas muito, tímido.


O sr. é a favor da ordenação de mulheres pela Igreja Católica?

Leonardo Boff - Não há nenhuma doutrina ou dogma que impeça as mulheres de serem ordenadas e até de serem bispos. O patriarcalismo intrínseco à instituição, governada só por homens e celibatários, faz com que não se tenha apreço pelas mulheres nem se reconheça o imenso trabalho que fazem dentro da Igreja. E, no entanto, devemos reconhecer que as mulheres, nos evangelhos, nunca traíram Jesus, como fez Pedro, foram as primeiras testemunhas do fato maior para a fé cristã, que é a ressurreição, e também foram discípulas.


O sr. também é a favor do fim da obrigatoriedade do celibato?

Leonardo Boff - O primeiro papa, Pedro, era casado. Aceito o celibato livremente assumido pelos que se propõem a servir às comunidades cristãs. Seria tão enriquecedor para a própria Igreja se houvesse, como há em outras igrejas, padres casados e padres celibatários. Mas o celibato desempenha uma função importante no estilo autoritário da instituição: ela pode dispor totalmente dos celibatários, sem laços com a família, transferi-los para onde quiser e ver-se livre de problemas de herança.


O sr. acha que os casos de pedofilia cometidos por padres têm relação com a obrigatoriedade da castidade?

Leonardo Boff - Entre a pedofilia e o celibato há um denominador comum que é a sexualidade. A educação sexual que os candidatos ao sacerdócio recebem é carregada de suspeitas e distorções e é feita longe do contato com as mulheres. Hoje sabemos que o homem amadurece sob o olhar da mulher e vice-versa. Quando se tolhe um desses polos da equação, pode surgir o recalque, a sublimação e as eventuais distorções. A pedofilia é uma distorção de uma educação sexual mal realizada. Ademais, a pedofilia é um pecado e um delito.


O sr. pode explicar melhor?

Leonardo Boff - A Igreja só via o pecado que podia ser perdoado, e tudo terminava aí. Não via as vítimas, que eram crianças e adolescentes que sofreram violência. Ela não via o delito que deve ser levado aos tribunais para ser julgado e receber a punição adequada. Este lado sempre foi mantido em sigilo, para não prejudicar a imagem da Igreja. Isso configura cumplicidade no crime. Graças a Deus, o papa agora acordou, se redimiu, reconheceu o delito e exige a denúncia dos pedófilos aos tribunais civis.


Quando o sr. era frei franciscano, soube de casos de abuso sexual?

Leonardo Boff - Nunca soube de nada.


O que o sr. acha da Renovação Carismática Católica?

Leonardo Boff - É um movimento forte, que trouxe muitos elementos positivos, pois tirou o monopólio dos padres. Agora o leigo fala e inventa orações, coisa que não ocorria. Deu certa leveza ao cristianismo, muito centrado na cruz e na paixão e menos na alegria e na celebração. Mas, a meu ver, ela ficou a meio caminho.


Por quê?

Leonardo Boff - Não se pode pensar no cristianismo sem justiça social e preocupação com os pobres. Todo carismatismo corre o risco de alienação. Eles se perdem no louvor, no cantar e dançar.


E como o sr. avalia os padres cantores, como Marcelo Rossi e Fábio de Melo?

Leonardo Boff - Eles produzem um tipo de evangelização adequada ao que é dominante hoje, que é o mercado. Mas com as limitações que o mercado impõe, tenham eles consciência disso ou não. É sempre problemático, do ponto de vista teológico, transformar a mensagem cristã numa mercadoria de fácil consumo e de pacificação das consciências atribuladas. Noto que as grandes questões sociais estão ausentes em seus discursos e cânticos.


Por quê?

Leonardo Boff - Eles falam sobre questões subjetivas. O cristianismo não pode funcionar como um ansiolítico que nos alivia, mas deve falar às consciências para que as pessoas tomem decisões que vão na direção do outro. Para mim, a mensagem cristã não significa buscar um porto seguro onde ancoramos para repousar. Mas é um chamado para irmos ao mar alto, para enfrentar as ondas perigosas. E não pedimos a Deus que nos livre das ondas, mas que nos dê força e coragem para enfrentá-las.


O sr. ainda é católico?

Leonardo Boff - Sou católico apostólico franciscano. Acho que São Francisco foi o último cristão verdadeiro e talvez o primeiro depois do Único, que foi Jesus Cristo. O franciscanismo me inspira mais do que o romanismo porque o romano é apenas uma qualificação geográfica.

Fonte: Isto É

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM