ÚLTIMAS POSTAGENS

domingo, 13 de dezembro de 2009

O caos da Ordem Franciscana.


O Papa condenou novamente a Teologia da Libertação. São Francisco NUNCA pregou uma heresia, foi um relativista. É vergonhsoso entrar no blog oficial da Ordem Franciscana e ver algo assim. O sincretismo religioso é uma sequela que a Teolgoia da Libertação deixou na Ordem. São Fracisco tinha um amor caloroso pela Eucaristia e pela Santa Missa. São francisco, apresente Cristo as seus filhos.

10 comentários:

  1. Eu sou um dos autores do blog Brasil Franciscano, do qual as fotos foram copiadas. Eu venho da OFM, mas há outros autores provindos da OFS e OFMConv.

    Desta vez não me prolongarei exageradamente, como costumo fazer. Apenas ponho um ponto de vista que, como sempre, será rejeitada. Por isso, não voltarei para fazer réplicas.

    Francisco foi amante da eucaristia, devoto de Nossa Senhora. Nunca desejou produzir cismas, mas fazer parte da ICAR. Sua proposta, contudo, produziu crises na igreja medieval em razão de seu próprio carisma: a itinerância. O exegeta franciscano Raoul Manselli dirá que o fato de não desejar viver em convento/mosteiro era um problema grave para a igreja do século XIII. Talvez exista algum modo diverso de vida aí.

    Francisco é chamado de santo da paz. Sua intercessão no diálogo entre o governante de Assis e o bispo D. Guido foi decisiva para evitar conflitos maiores. E ele faz mensão a isso no cantigo das criaturas. Em sua missão ao Oriente, estabelece contato com El Kamel, num esforço pelo estabelecimento da paz entre cristãos e muçulmanos.

    Um dos principais pilares do franciscanismo é a fraternidade. Ela existe nos demais grupos religiosos, mas entre os menores ela é imprescindível. Não há franciscano solitário em nenhuma parte do mundo! E a estruturação da fraternidade depende do respeito ao espaço do próximo, à convivência pacífica apesar das divergências de opiniões, de cultura e cognição: "o Senhor me deus irmãos", dirá Francisco no Testamento.

    Pode ser difícil aceitar uma cultura diferente da sua, mas essa é a provocação induzida pelo carisma franciscano. A paz e a fraternidade: sem elas, a minoridade nunca seria possível. E ser menor significa entender que as diferenças não possuem importancia e que os irmãos sempre estarão juntos, sempre.


    Breno Bastos
    Ex-seminarista da OFM

    ResponderExcluir
  2. Diferenças a parte Breno, isso não Justifica Abusos litúrgicos como em missas afro (foi o que a foto abaixo me lembrou, embora não seja clara). Diferença sim, mas a doutrina é uma só.

    ResponderExcluir
  3. Lembrando que ser da Paz não quer dizer que não se defenda a legítima defesa e Francisco Também foi favorável as cruzadas.

    ResponderExcluir
  4. São Francisco nunca foi relativista, como fazem esses frades atualmente, muito pelo contrário, sempre foi fiél à Igreja.

    É verdade que a OFM está infestada de TL. Mas isso não é apenas na OFM, veja os Dominicanos, os Carmelitas... O Cléro diocesano então nem se fala...

    A OFM com o seu carisma pela pobres está mais vulnerável a se influenciar pela TL, pois esta tem toda aquela balela de ''opção pelos mais pobres''...

    Mas é lamentável isso, a OFM tem um carisma maravilhoso e de muita utilidade para a Igreja, mas que precisa ser levado a sério, e ficar longe dessas heresias marxistas...

    ResponderExcluir
  5. Cite-me um exegeta franciscano que admita que Francisco foi favorável às cruzadas. Mesmo depois de tantos anos, nunca li isso em lugar algum. O que ele tinha era o ideal cruzado, o que é muito diferente. Ele quis ser cavaleiro, ressaltar o amor pela cortesia e advogar por toda aquela fineza típica de um nobre. Esse ideal, contudo, nunca morreu. Mesmo com os marginalizados, mesmo sendo um "menor", segundo o vocabulário típico de Assis do século XII, ele tentou ser um cavaleiro, ser um nobre.

    Muitos livros falam dessa característica dele. Há um chamado OS CAVALEIROS DA SANTA POBREZA, que narra um pouco sobre a vida - pelo menos o que se sabe deles - dos primeiros discípulos da fraternitas primitiva. Há um outro chamado FRANCISCO E O IDEAL CAVALEIRESCO - se eu não me engano o título é esse - em que narra justamente seu amor pelo ideal cruzado, pelo ideal nobre.

    Mas apoiar as campanhas cruzadas, isso é outra coisa bem diferente.

    Recomendo que leia mais sobre Francisco. Você vai se apaixonar.

    ResponderExcluir
  6. O que estamos comentando aki, é o processo descristianização estao mostrando uma imagem da Igreja que nao é da IGREJA, o que debatemos aki é ki Francisco certamente nao aceitaria tamanha balburdia em sua ordem. Padres que nem sabem o que celebram em nome de um pseudoecumenismo, formando cristao a luz de uma pseuda Libertação, onde os proprios deveriam se libertar dessa teologia condenada por Roma, infelizmente isso nao so acontece com os franciscanos ( salva algumas exceções) também com redentoristas,dominicanos,jesuitas,salesianos, envergonham seus fundadores, alguns sao ate doutores da Igreja. VERGONHA VERGONHA VERGONHA !

    ResponderExcluir
  7. O Breno falou, falou, mas não tocou no tema, que é o modernismo, a TL e o caos litúrgico.

    ResponderExcluir
  8. Caro Junior, Laudetur Dominus!

    Um dos maiores indícios do desprezo pela Santa Igreja é quando alguém que se diz católico se refere a ela apenas como ICAR, como se fosse uma empresa ou organização qualquer. Eles mostram com quem eles estão verdadeiramente em comunhão: com protestantes, espíritas, ateus e todos os que falam da mesma maneira...

    Mas a Ordem Franciscana há muito tempo está eivada pela escatologia da libertação. Afinal, o próprio Genésio "Galinha" Boff era franciscano... E há quanto tempo ele existe?

    Pax et Salutis

    ResponderExcluir
  9. Caramba, se assumem da TL ainda!!!

    Santa Inquisição, rogai por nós!


    Pro Catholica Societate

    ResponderExcluir

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM