ÚLTIMAS POSTAGENS

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Por que não exportam a Missa Afro?


Conversando com um amigo, me veio à pergunta: Por que não exportam a Missa Afro ?

O Brasil é famoso mundialmente pela sua diversidade cultural, tanto que não faltam turistas para apreciar o Carnaval, à virada de ano em Copacabana, e outros tantos eventos e festas que estão ligados à cultura brasileira. Toda essa diversidade cultural que fantasia milhões de pessoas no mundo todo, se torna um negócio. Muitos eventos em países como os EUA são feitos para ‘comercializar’ a cultura do nosso país. Daí o fato do Brasil exportar músicas como as de Ivete Sangalo, que todo ano tem uma turnê na Europa, “Bruno e Marrone” que sempre vão para os EUA, etc.

Agora, por que não exportar a Missa Afro ? Ora, se a Missa Afro representa tanto a nossa cultura, se ela é tão linda e profunda, por quê não apresentar aos demais essa maravilha?

É difícil entender como isso não aconteceu ainda, grande parte dos Bispos do Brasil foram visitar o Papa esse ano, sem contar os tantos encontros anteriores que formam uma lista vasta. Como ninguém disse ao Papa: “Vossa Santidade, eu e alguns demais Bispos do Brasil estamos promovendo uma Missa com danças africanas, roda de batucada com atabaque e outros adereços. Muitas vezes dizemos que Cristo é uma espécie de Zumbi dos Palmares, que veio nos libertar. Em algumas orações invocamos orixás, dizemos que a Eucaristia é algo simbólico e abençoamos imagens umbandistas. Nós celebramos muitas vezes sem casula, colocamos roupas e adereços folclóricos ligados às crenças africanas e indígenas. Aqui temos algumas imagens [ é preciso demonstrar o produto numa negociação, né?], o que o senhor acha?”

Para quem está chegando agora ao planeta Terra, dê uma olhada nessas fotos e no vídeo, e entederás.

Mas, a questão é tão crítica que, embora a Missa Afro seja algo totalmente ‘normal’ no Brasil, Bispos e Padres que a celebram, escondem-a das autoridades eclesiásticas. É como ter vergonha do produto que ‘vende’. Já parou pra pensar? Ia ser algo maravilhoso ver uma Missa na Espanha em que o Padre celebra com roupa de toureiro, ou um Padre-Samurai usando uma espada ao celebrar uma Missa no Japão, ou ainda ver um Padre da Grécia usando aquelas roupas de Deuses gregos, como vemos em filmes. Seria algo muito legal.

Rodadas de “Doha” [ negócios] é o que não faltam, ‘mercado consumidor’ [fiéis], também não. Por que a Missa Afro não é exportada fazendo florir a diversidade cultural na Santa Missa? A Missa Afro deveria ser exportada, assim, quem sabe um dia, vemos uma Missa Afro na África.







3


2 comentários:

  1. Caro Junior Pereira, Laudetur Dominus!

    Deus nos livre da exportação das "missas""Afro"! Mas a pergunta, apesar de bem interessante, é facilmente respondida.

    Primeiro, porque é só aqui no Brasil, devido ao provincianismo e à indigência cultural dos brasileiros, é que a escatologia da libertação - e conseqüentemente a "missa""afro", que é uma sua filha - é levada a sério. No resto do mundo esse tipo de coisa é considerado simplesmente piada de mau gosto.

    Segundo, a naturalidade com a qual as autoridades da CNBB encaram as "missas""afro" é apenas aparente: eles sabem que tudo isso tá muito errado! E morrem de medo que alguém relevante preste um pouquinho de atenção neste fenômeno. A prova disso é o comportamento de cordeirinhos que os bispos tiveram nas visitas ad limina ao papa, principalmente ao participarem dos ofícios divinos em Roma.

    A CNBB é mestra do fingimento: eles fingem pros fiéis brasileiros que o mundo encara com naturalidade o que acontece por aqui, e fingem pras autoridades romanas que aqui não acontece nada de errado.

    Pax et Salutis

    ResponderExcluir
  2. Caro Captare, suas colocações estão excelentes.

    De fato, o texto é uma ironia para ver a argumentação dos defensores de tais 'missas' agindo.

    Paz e Bem!

    ResponderExcluir

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM