ÚLTIMAS POSTAGENS

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Padre Fábio de Melo - "Deus não se prova, se experimenta!"


Padre Fábio de Melo se enroscou em mais um de seus exemplos. Além de já ter dito que não devemos evangelizar os índios, que mesmo não concordando com as doutrinas das outras religiões, veio para anunciar Jesus e não para discutir doutrina, como que se a doutrina da Igreja de Cristo não fosse também a palavra de Cristo, etc. Agora, a existência de Deus? A existência de Deus é provada sim, pois podemos chegar ao conhecimento da existência de Deus através da razão. Do mesmo modo que eu provo que 2+2 =4, eu provo que Deus existe. É o que definiu infalivelmente o Concílio Vaticano I.

“Se alguém disser que o Deus uno e verdadeiro, Criador e Senhor nosso, não pode ser conhecido com certeza pela luz natural da razão humana, por meio das coisas criadas – seja excomungado” (Concílio Vaticano I, Cânones sobre a revelação, cânon 1, Dz 1806)

Todo o católico está obrigado a admitir que a existência de Deus pode ser conhecida com certeza, não só pela fé, mas pela razão humana. É DE FÉ que a existência de Deus é provada por meios racionais. Padre Fábio de Melo diz que Santo Tomás fala do 'conhecimento da existência de Deus', mas não das provas da existência de Deus; pior ainda, ele diz que se tivéssemos que provar a existência de Deus, não precisaríamos acreditar em Nele, ter fé. Padre Fábio de Melofoi infeliz no seu discurso. Santo Tomás apresenta 5 provas para a existência de Deus - que o Padre Fábio de Melo e o Padre Mário se esqueceram-, são elas:

* Iª - Prova do movimento
* IIª - Prova da causalidade eficiente
* IIIª - Prova da contingência
* IVª- Dos graus de perfeição dos entes
* Vª - Prova da existência de Deus pelo governo do mundo

Isso sim são provas científicas, ie., racionais.

Novamente, o Concílio Vaticano I diz de modo claro:
“Se alguém disser que a revelação divina não pode se tornar crível por sinais externos e que, portanto, os homens devem mover-se à fé somente pela experiência interna de cada um e pela inspiração privada, seja anátema” (Concílio Vaticano I, Cânon sobre a Fé. Denzinger, n0 1812).

A tese de que Deus se 'experimenta', e por isso ele se torna o 'meu absoluto', é condenada:
“Para o modernista crente é coisa certa e verificada que a realidade do divino existe realmente em si mesma e absolutamente não depende do crente. E se se lhes pergunta em que se fundamenta finalmente essa afirmação do crente, responderão: na experiência particular de cada homem. Afirmação pela qual, se é certo que se apartam dos racionalistas, por outro lado vem a ter a opinião dos protestantes e dos pseudo místicos” (São Pio X, Pascendi, Denzinger, 2081).

Modernismo não, né, Padre Fábio de Melo?

“O raciocínio pode provar com certeza a existência de Deus, a espiritualidade da alma e a liberdade do homem. A fé é posterior à revelação, e, portanto, não se pode alegar convenientemente para provar a existência de Deus contra o ateu, nem a espiritualidade e a liberdade da alma racional contra o seguidor do naturalismo e do fatalismo” (Decreto da Sagrada Congregação do Index de 11 de Junho de 1855).

Mas, eu acho que captei o 'espírito da coisa', Padre Fábio de Melo deve estar fazendo uma referência ao que o Papa Bento XVI disse, enquanto era Cardeal: "Salvaguardar o equilíbrio significa também o justo relacionamento entre instituição e carisma, entre fé comum na Igreja e experiência pessoal. Uma fé dogmática sem experiência pessoal permanece vazia; uma mera experiência sem ligação com a fé da Igreja é cega." (A FÉ EM CRISE? O Cardeal Ratzinger se interroga – Ed. E.P.U. – 1985, São Paulo, Pág. 45)

Uma fé sem experiência pessoal, é uma fé vazia, como diz o então Cardeal Ratzinger, mas a existência de Deus não está na experiência pessoal. A verdade não depende do ser cognoscente, como diriam os filósofos. Bom, mais cuidado Padre Fábio de Melo.

6 comentários:

  1. É, realmente ele tem aprofundado muito este lado "auto ajuda" da fé, e por conta disso esquece que mesmo em um Deus que não vemos temos certezas. Senão deus torna-se algo subjetivo, criatura de quem o inventa mentalmente para responder aos seus anseios.
    Deus é Deus.

    ResponderExcluir
  2. Caro Junior, Laudetur Dominus!

    O PADRE Melo adora tagarelar sobre o que não conhece. Ele não vai tomar cuidado, pois está embriagado pelo apoio que recebe da massa anestesiada pelas palavras açucaradas de seus livros e discos.

    Dizer que o fato de existirem provas da existência de Deus excluíria a necessidade de o homem ter fé é de uma estupidez colossal. Se ele tivesse mesmo lido São Tomás (que é o mínimo indispensável para que alguém pretenda comentá-lo), veria que o próprio Angélico, no mesmo lugar onde expõe as provas, diz que exatamente porquê a fé é necessária mesmo com elas.

    Parece que o PADRE Melo se julga tão bom que nem precise ler um autor antes de tecer teses sobre o que ele quis dizer.

    Pax et Salutis

    ResponderExcluir
  3. Caro Captare, Laudetur Dominus!

    Obrigado por comparecer ao blog.

    Sobre o Padre Fábio de Melo, as heresias proferidas por ele são mais venosas que uma picada da cobra. As vossas palavras foram perfeitas na descrição do assunto.

    Não faço mais críticas ferrenhas aos sacerdotes - até pelo fato de ser sacrilégio, como já fiz anteriormente - pois não faz parte do meu perfil, nem do blog. Não estou sendo omisso, creio eu, pois o que eu faço é mostrar os erros e indicar o correto.

    Mas o Padre Fábio de Melo NÃO pode ser levado em conta, a não ser como cantor, rsrs.

    Pax e Salutis.

    ResponderExcluir
  4. É uma pena que alguns católicos tradicionais não conseguem enxergar que através da Canção Nova e do Padre Fábio de Melo está sendo divulgado o evangelho de maneira mais humana, mais próxima da realidade bíblica e do propósito divino. Basta aprofundar a leitura da Bíblia para ver que há um único mediador entre Deus e o Homem, Jesus Cristo (1 Timóteo, 2:5). O Padre Fábio não fala de Maria (mulher santa, separada por Deus para ser mãe de seu filho, não há que se questionar sua importância na história da humanidade, porém a religião é cristã, baseia-se em Cristo, não em Maria), não prega sobre santos, e isto incomoda. Aconselho que se leia menos o que o Papa escreve e mais o que Deus diz em sua Palavra. Leiam a Bíblia,tenham uma esperiência de fé com Deus, semeiem o amor e ide, fazei discípulos. Isto é evangelho, isto é ser cristão. Que Deus abençoe a todos.

    ResponderExcluir
  5. Como é que é Eduardo?

    Que parte do "Pedro, tu és pedra e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão sobre ela. Te darei as chaves do Céu. tudo o que ligares na terra será ligado no Céu. tudo o que desligares na terra será desligado no céu." você não entendeu?
    Voce esta tentando dizer que devo ouvir menos o Papa para ouvir mais ao Pe. Fábio e etc.? Prefiro ouvir o Papa, só ele é infalível em questão de fé e moral.

    ResponderExcluir
  6. Esse homem é um louco.
    Quanta estupidez!!!

    ResponderExcluir

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM