ÚLTIMAS POSTAGENS

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Que todos sejam UM! Uma análise sobre o verdadeiro Ecumenismo!



Por Nilson Pereira dos Santos Júnior

.

“Acreditar em Cristo significa querer a unidade; querer a unidade significa querer a Igreja; querer a Igreja significa querer a comunhão de graça que corresponde ao desígnio do Pai desde toda a eternidade. Este é o significado da oração de Cristo.(Ut Unum Sint, nº 09)

“Esta é a única Igreja de Cristo, que no Credo confessamos ser una, santa, católica e apostólica. (Lumem Gentium, nº 08)”


“Existe portanto uma única Igreja de Cristo, que subsiste na Igreja Católica, governada pelo Sucessor de Pedro e pelos Bispos em comunhão com ele.
(Dominus Iesus,nº 16).”

“De coração cremos e com a boca confessamos uma só Igreja, não de hereges, mas a Santa, Romana, Católica e Apostólica, fora da qual cremos que ninguém se salva”

(IV Concílio de Latrão, Denzinger 423).

O Concílio Vaticano II mostrou a importância do Ecumenismo para a restauração da unidade dos Cristãos, e nos deu todas as diretrizes de como promover o diálogo e anunciar a fé Católica aos irmãos separados. Há muitos que dizem que o ecumenismo é uma nova doutrina na Igreja, há outros que confundem o espírito ecumênico e acabam por mutilar a sã doutrina da Igreja.

O Ecumenismo está fundamentado no ardor missionário do Cristão:

” Todo o poder Me foi dado no céu e na terra. Ide, pois, fazer discípulos de todas as nações, baptizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinai-lhes a cumprir tudo quanto vos mandei. E Eu estou sempre convosco, até ao fim dos tempos.” (Mt 28,18-20; cf. ainda Lc 24,46-48; Jo 17,18; 20,21; Actos 1,8).

E assim nos ensina a Santa Igreja, mãe e mestra:

Compreende-se, portanto, que, em obediência ao mandato do Senhor (cf. Mt 28,19-20) e como exigência do amor para com todos os homens, a Igreja « anuncia e tem o dever de anunciar constantemente a Cristo, que é “o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6), no qual os homens encontram a plenitude da vida religiosa e no qual Deus reconciliou todas as coisas consigo ».(Conc. Vaticano II, Decl. Nostra aetate, n. 2. in DOMINUS IESUS, n.22)

Neste sentido como dialogar com os demais cristãos e não anunciar o Evangelho? Como não cumprir a ordem de Nosso Senhor? Ora, a própria bíblia nos condena a divisão doutrinaria e nos confirma que há somente uma Igreja:

"Rogo-vos, irmãos, que desconfieis daqueles que causam divisões e escândalos, apartando-se da doutrina que recebestes. Evitai-os!"
(Rm 16,17)

"Repito aqui o que acabamos de dizer: se alguém pregar doutrina diferente da que recebestes,seja ele excomungado!"
(Gl 1,19)

"Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si."
(2Tm 4,3)

"firmemente apegado à doutrina da fé tal como foi ensinada, para poder exortar segundo a sã doutrina e rebater os que a contradizem. (Tt 1,9)

"Não vos deixeis desviar pela diversidade de doutrinas estranhas. É muito melhor fortificar a alma pela graça do que por alimentos que nenhum proveito trazem aos que a eles se entregam."
(Hb 13,9)

"Todo aquele que caminha sem rumo e não permanece na doutrina de Cristo,não tem Deus. Quem permanece na doutrina, este possui o Pai e o Filho.Se alguém vier a vós sem trazer esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis."
(2Jo 1,9-10)

O que estes poucos textos citados resumem? Resumem a doutrina da Igreja: não se trata de modificar a doutrina perene, nem de aceitar a doutrina errônea dos demais cristãos, mas de empenhar-se para que todos os cristãos se convertam à mesma verdade, que salva e liberta.

O Magistério deixa bem claro que existem elementos de santificação fora da dimensão visível da Igreja, e que todos estes são elementos Católicos.

“Não se nega que alguns aspectos religiosos de outras religiões procedam de Deus. E que alguns ritos chegam a preparem o homem para a ação de Deus. Mas NÃO se pode atribuir a estes ritos origem divina ou eficácia salvífica - ex opere operato - própria dos sacramentos. Outros ritos e aspectos de algumas religiões vão contra os ensinamentos do evangelho e se tornam obstáculos à salvação.”(Op. Cit. 22).

Vale destacar que a Igreja possui respeito pelas diferentes religiões, mas não aceita a idéia relativista e anti-católica de que “tanto vale uma religião como outra”.(op. cit. idem)

Por fim vale lembrar:

"Promover a restauração da unidade entre todos os cristãos é um dos principais propósitos do sagrado Concílio Ecumênico Vaticano II.
Pois Cristo Senhor fundou uma só e única Igreja. Todavia, são numerosas as Comunhões cristãs que se apresentam aos homens como a verdadeira herança de Jesus Cristo.
Todos, na verdade, se professam discípulos do Senhor,
mas têm pareceres diversos e caminham por rumos diferentes, como se o próprio Cristo estivesse dividido. Esta divisão, porém, contradiz abertamente a vontade de Cristo, e é escândalo para o mundo, como também prejudica a santíssima causa da pregação do Evangelho a toda a criatura."

(Decreto Unitatis Redintegratio, nº 1)


0 comentários:

Postar um comentário

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM