ÚLTIMAS POSTAGENS

segunda-feira, 30 de março de 2009

A Igreja na era primitiva parte I

Introdução
"Bem mais do que o povo hoje tem conciência, a Igreja moldou o tipo de Civilização em que vivemos e o tipo de pessoas que somos. Embora os livros textos típicos das faculdades não difam isso, a Igreja foi a indispensável construtora da Civilização Oriental. A Igreja não só eliminou os costumes repugnantes do mundo antigo, como o infanticídio e os combates dos gladiadores, mas, depois da queda de Roma, ela restaurou e construiu a civilização."

(Dr Thomas Woods, PHD de Harvard- EUA/2005)

OS PRIMEIROS SÉCULOS (0-400)


A Igreja teve um crescimento rápido sob a ação do Espírito Santo desde o primeiro século. "Enfrentou durante quase três séculos a perseguição do Império Romano até a conversão de Constantino no ano 313. Neste ano, convertido ao cristianismo, ele assinou o Edito de Milão que proíbiu a perseguição aos cristãos.

'Deliberamos conceder aos cristãos a e quem quer que seja a liberdade de praticar a religião de sua preferência a fim que Divindade que nos céus reside venha a ser favorável e propícia para nós e para todos os súditos. Parece-nos ser medida boa, razoável, não recusar a nenhum de nossos súditos, seja ele cristão ou adepto de qualquer outro culto, o direito de seguri a religião que melhor lhe convenha. Assim sndo, a Divindade que um revenciar a seu modo, livremente, poderá também estender a nós sue benevolência a seus habituais favores (...)'." (Apud Souza. T.F., 2007)

Nesta época já havia no mundo cerca de 6 milhões de cristãos. Mais tade, o Imperador Teodósio, por volta de 390, pelo "Edito de Tessalônica", tornaria o cristianismo religião oficial do Império Romano. Como disse Daniel Rops, " a espada se curvou diante da cruz". E isto aconteceu sem luta por parte dos cristãos. A força do Evangelho moveu os corações dos reis, imperadores, e mulheres romanas.

Ao longo dos primeiros quatro séculos foi marcante a ação dos Apóstolos, principamente dessas colunas da Igreja que foram São Pedro e São Paulo, o sangue dos mártires, o perfil dos grandes santos e dos primeiros escritores e artistas cristãos, o desenrolar do culto e da piedade, dentro de uma sociedade romana que foi desmoronando, como acontece no mundo de hoje, mas que, também como hoje, se abre finalmente a Jesus Cristo.

Já no começo da vida da Igreja surgiram as terríveis heresias e sectarismos, que no entanto, conduziram à formação da teologia cristã e aos grandes Concílios da primeira era, de onde a Igreja saiu fortalecida na sua autoridade e unidade. A Igreja precisou realizar os Concílios de Nicéia I, em 325, para reprovar o arianismo, de Ário, que negava a divindade de Cristo; e em 381 o Concílio de Constantinopla I, para condenar o macedonismo, de Macedônio, patricar de Contantinopla, que ensinava que o Espírito Santo não era Des. Desses dois Concílios surgiu a formulação Credo niceno-contantinopolitano que rezamos ainda hoje.
Fonte: Uma História que não é Contada - Prof. Felipe Aquino.

0 comentários:

Postar um comentário

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM