ÚLTIMAS POSTAGENS

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

A Leitura Cristã da Bíblia

Apostolado Shemá.

Adaptado por Nilson Pereira dos Santos Júnior


" Aqui vão ser lidas as letras não de um senhor da terra mais soberano dos anjos. Se desta maneira nos dispomos, a graça do Espírito Santo guiar-nos-á com toda segurança, chegaremos até ao próprio trono do Rei e alcançaremos todos os bens pela graça e pelo amor de Nosso Senhor Jesus Cristo, a quem é devida a glória e o poder, juntamente com o Pai e o Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém" ( Hom. sobre São Mateus,1,8)

São João Crisóstomo chama às Sagradas Escrituras cartas enviadas por Deus aos homens ( Cfr Hom. sobre o Gen,2,2) Sendo isso assim, o primeiro que devemos fazer ao ler a Sagrada Escritura é fomentar em nós um afã e um entusiasmo santo por conhecer e meditar o conteúdo dessas cartas divinas. Por isso já São Jerônimo exortava um amigo seu: " Lê com muita freqüência as Escrituras divinas: mais ainda, nunca abandones a leitura sagrada"( Ad Nepotianum,7,1).
O Concílio Vaticano II "exorta com ardor e insistência todos os fiéis (...) a que aprendam a sublime ciência de Jesus Cristo ( Phil 3,8) com leitura freqüente das divinas Escrituras, porque 'a ignorância das Escrituras e ignorância de Cristo'( São Jerônimo).

Debrucem-se, pois, gostosamente sobre o texto sagrado, quer através da Sagrada Liturgia, rica de palavras divinas quer pela leitura espiritual(...). Lembrem-se, porém, que a leitura da Sagrada Escritura deve ser acompanhada de oração, para que seja possível o diálogo entre Deus e o homem; porque 'a Ele falamos, quando rezamos; a Ele ouvimos, quando lemos os divinos oráculos ( Santo Ambrósio)" ( Dei Verbum,n.25)

Por seu lado, São Pio X precisava que "a leitura da Bíblia não é necessária para todos os cristãos, porque já estão ensinados pela Igreja, mas é muito útil e recomenda-se a todos" (Catecismo Maior,n.884).



Como fazer uma Leitura Proveitosa
Temos de partir necessariamente da obediência à fé da única Igreja de Jesus Cristo;fé, concretamente, em tudo o que a Igreja professa e ensina sobre o Cânon dos Livros Sagrados, sobre a sua inspiração divina, sobre a sua inerrância e veracidade, sobre a sua historicidade, sobre a sua autenticidade. Fé, em última análise, em que estes contêm a verdade salvadora, sem erro algum.

Também é necessária piedade e santidade de vida para poder compreender a Sagrada Escritura. Para o crescimento da inteligência da Palavra de Deus escrita, o homem deve dispor-se pela oração a receber as luzes que nos vêm gratuitamente do Espírito Santo.

Quem lê, medita ou estuda a Bíblia deve buscar na oração assídua, na intimidade com Deus, a compreensão dessa palavra santa. Não está só na muita filologia, arqueologia, sociologia, psicologia ou em qualquer outra ciência humana o penetrar os segredos das divinas letras, mas no afã por alcançar a santidade pessoal de vida, e portanto na luz de Deus.

Necessita-se igualmente da virtude da humildade, que nos torne crianças diante de nosso Pai Deus. Só assim se cumprirão em nós as palavras de Cristo:"Bendigo-te, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e aos entendidos e as revelaste aos pequeninos" Mt 11,25).

A humildade e a piedade manifestar-se-ão em não permitir nem admitir opiniões temerárias que estejam à margem de que o Magistério da Igreja e a Tradição ensinaram constantemente; na firme convicção de que nunca se chegarão a demonstrar de modo sobrenatural e, portanto, de que, não se conquista, mas se aceita gozosamente tudo o que Deus revelou, tal como o Magistério da Igreja o propõem.

Diante da grandeza dos mistérios divinos o cristão deve sentir a humilde alegria de que a sua inteligência os não pode abarcar.


JÚNIOR, Nilson Pereira dos Santos,São Paulo, Brasil.
Este artigo está livre para cópia e reprodução desde que seja cedida a fonte do autor.

0 comentários:

Postar um comentário

Apostolado Shemá
Seja nosso parceiro. Cole o código em seu blog.

VISITE TAMBÉM